Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rui Falcão e cúpula do PT acertam o desembarque do governo Cabral

Reunião no Rio de Janeiro, com o aval do presidente nacional do partido, definiu que os petistas deixarão os cargos na gestão peemedebista no estado ainda este ano. Encontro serviu para consolidar a candidatura de Lindbergh

Uma reunião entre o presidente nacional do PT, Rui Falcão, e integrantes da cúpula do partido no Rio de Janeiro definiram que os petistas deixarão os cargos no governo de Sérgio Cabral (PMDB) no fim deste ano. Pela primeira vez, a executiva nacional mostrou apoio formal ao desembarque da gestão do peemedebista. O acerto é que, no dia 25 de novembro, um dia depois do segundo turno das eleições internas do PT para presidente regional, os integrantes do partido no estado voltarão a se reunir para cravar a data de saída. Na reunião, foi apresentado a Falcão o interesse em deixar o PMDB uma semana depois do encontro, no começo de dezembro. O presidente do PT deu o aval para que a decisão fique com os líderes no estado.

A movimentação do PT tem relação direta com a candidatura do senador Lindbergh Farias ao governo do estado. Lindbergh, que há meses pressiona o partido para deixar as secretarias estaduais de Meio Ambiente e Assistência Social, para se consolidar como candidato ao Palácio Guanabara, saiu aliviado da reunião. As declarações de Falcão colocam um ponto final nas dúvidas que ainda pairavam sobre uma candidatura própria do PT no Rio, o que implicará no rompimento de uma aliança que durou sete anos com Cabral. “Poucas vezes houve uma unidade tão ampla no PT como conseguimos hoje. Reafirmamos que é prioridade total a eleição de Lindbergh”, afirmou Falcão.

Promessas de Lula mantêm Sérgio Cabral sob controle

Para o presidente do PT, sair do governo estadual é uma questão de “ética”. “Nós somos éticos. A nossa candidatura está definida. Não vamos ficar em um governo com o qual depois disputaremos eleitoralmente. Chega um momento em que você tem que deixar o governo. Queremos fazer isso de forma organizada e pactuada”, disse Falcão. As frases do presidente do PT soam como música aos ouvidos de Lindbergh. Na reunião, também ficou decidido que na segunda-feira haverá um encontro para destacar petistas da direção nacional para a pré-campanha do Rio. “Essa reunião foi um marco para a construção da minha candidatura”, disse o senador. “Por mim, já teríamos saído desse governo há muito tempo. Tenho um constrangimento com tudo isso (de se manter na gestão de Cabral). Mas o resultado de hoje foi uma vitória. Tivemos uma unidade e o aval da direção nacional”, afirmou.

Rui Falcão opera para manter PT do Rio com Sérgio Cabral

Executiva nacional do PT impõe fidelidade a Cabral

Pelo quadro de pré-candidatos do momento, Lindbergh enfrentará o vice-governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), apoiado por Cabral, os deputado Anthony Garotinho (PR) e Miro Teixeira (Pros). Pela lei eleitoral, como lembra Falcão, somente Lindbergh poderá usar a imagem de Dilma Rousseff. Mas a presidente, na corrida pela reeleição, aparecerá em todos os palanques de quem tiver apoio no estado. O que significa que Dilma também fará campanha ao lado de Pezão e Garotinho. “Onde houver dois ou três palanques para a presidente, ou ela vai a todos ou não vai a nenhum”, disse Falcão.

Uma arapuca se arma para a presidente. Lindbergh antecipou que sua campanha será de oposição ao governo Cabral. E, pela lógica de Falcão, Dilma dividirá palanque com Pezão e Cabral. “Vai ser uma candidatura que fala muito de mudanças em várias áreas: transporte, saúde, educação. Falaremos de mudança de prioridade e usaremos o exemplo de Lula, que olhou para o trabalhador, para povo mais pobre”, disse Lindbergh. “Temos que dar uma virada. Olhar para a Baixada Fluminense, o subúrbio, São Gonçalo, o interior. Houve concentração de investimento e de qualidade dos serviços públicos em determinadas regiões da cidade, como a Zona Sul e a Barra da Tijuca”, disse o senador, se colocando como uma alternativa ao PMDB, que sai desgastado da jornada de manifestações no Rio, e ao “retrocesso”, como o próprio senador disse, encarnado por Garotinho.

LEIA TAMBÉM:

Cabral usa fundo de Combate à Pobreza para turbinar programas sociais

Lindbergh Farias põe o PT na estrada

Acabou o amor: disputa pelo governo do Rio em 2014 põe PT e PMDB em lados opostos

Com Dilma ao lado do PMDB, Lindbergh começa campanha para 2014 no Rio