Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rocha Loures devolve R$ 35 mil que ‘faltavam’ em mala de propina

Valor foi depositado em conta judicial e informado ao STF

Flagrado em imagens correndo com uma mala recheada com 500.000 reais em propina, o deputado federal afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) informou nesta quinta-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) que depositou, em uma conta judicial do STF, 35.000 reais. O valor é exatamente a cifra que estava faltando quando a defesa do parlamentar procurou a Polícia Federal, na segunda-feira, para devolver todo o conteúdo da mala.

Segundo as apurações da Procuradoria-Geral da República (PGR), a quantia de 500.000 reais representava a primeira parcela da propina a ser paga pela JBS. Conforme a delação de Joesley, a empresa enfrentava problemas no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) envolvendo uma disputa entre a empresa e a Petrobras no fornecimento de gás para uma termelétrica em Cuiabá, que pertencia à holding, e queria pagar para que o Executivo defendesse seus interesses no órgão antitruste.

Na noite desta segunda-feira, a defesa de Rocha Loures devolveu a mala de propina aos policiais federais, mas, conforme documento da PF, na sacola de dinheiro devolvida às 21h20 havia 9.300 cédulas de 50 reais, o que totaliza 465.000 reais. Trinta e cinco mil reais simplesmente haviam sumido.

Em ações monitoradas pela PF e que embasam o inquérito em que o presidente Michel Temer é investigado, o deputado foi gravado tratando da propina com o diretor de relações institucionais da JBS, Ricardo Saud, e depois recebendo o dinheiro numa pizzaria de São Paulo no dia 24 de abril. Nas imagens, ele aparece saindo do restaurante às pressas arrastando a mala de rodinhas e a colocando no porta-malas de um táxi — ele havia entrado no estabelecimento de mãos vazias.

O vídeo foi feito depois de Joesley ter gravado Temer em uma reunião fora da agenda oficial no Palácio do Jaburu. No encontro, o presidente indicou Loures como seu interlocutor para tratar de assuntos de interesse do empresário no governo federal. O deputado, que era suplente até março deste ano, trabalhava como assessor do presidente desde 2011. Naquele mês, deixou o Planalto para assumir a cadeira na Câmara deixada por Osmar Serraglio (PMDB-PR), nomeado ministro da Justiça.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ele tava pensando que não iriam contar?! Safadenho!

    Curtir