Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Recarga do Bilhete Único poderá ser feita dentro dos ônibus

O secretário municipal de Transportes de São Paulo, Jilmar Tatto, disse ainda que a nova licitação do transporte público deve sair este ano

A prefeitura de São Paulo renovou por mais um ano o contrato de concessão do serviço de ônibus na cidade com a exigência de que as empresas já troquem as cerca de 15.000 máquinas validadoras do bilhete único em todos os veículos. Os equipamentos poderão fazer a recarga dos cartões com créditos pré-pagos pela internet e tirar fotos em alta definição de passageiros que utilizam gratuidades como forma de fiscalização. A São Paulo Transporte (SPTrans) também renovou o serviço por meio de contrato emergencial com os permissionários que operam o sistema de lotações, que também devem trocar os equipamentos.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, a nova licitação do transporte coletivo deve sair neste ano. “Estamos aguardando a auditoria. Mas ao mesmo tempo já estamos discutindo o edital para definir como vai ser o transporte coletivo em São Paulo.” De acordo com Tatto, as novas máquinas validadoras já serão usadas no novo formato. “Isso (a exigência) é para ganhar tempo para não esperar a nova concessão. Colocamos a exigência de que eles (os empresários) terão que apresentar o contrato com os fornecedores desses validadores”, explicou Tatto.

Leia também:

Vereadores aprovam Plano Diretor que beneficia invasões de sem-teto

Haddad: um prefeito em queda livre

Ainda segundo o secretário, a prefeitura aceitará apenas validadores de empresas já homologadas pela SPTrans. “É um investimento de longo prazo. Foi um modelo que juridicamente nós encontramos de não perder tempo, avançar na implantação do sistema”, disse.

Novas funções – Os novos equipamentos validadores terão outras funcionalidades como computador de bordo, GPS, biometria e coleta de dados sobre as linhas para a SPTrans definir mudanças e estratégias operacionais de acordo com a demanda. Tatto afirmou que ainda não foram definidos quais serviços estarão funcionando ainda neste ano.

Segundo Francisco Christovam, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SP-Urbanuss), cada validador custará entre 5.000 e 5.500 reais. Ainda de acordo com ele, a instalação da nova tecnologia começa em outubro e deve ser concluída em janeiro.

Leia ainda:

Funcionários da prefeitura dão expediente na sede do PP

Tribunal de Contas barra mais uma licitação de Haddad

(com Estadão Conteúdo)