Quem é a herdeira de ex-banqueiro suíço que deu R$ 500 mil a Lula

Roberta Luchsinger, que se diz socialista e é filiada ao PCdoB, deu ao petista dinheiro, anel de diamantes e objetos de grife após bloqueio de bens por Moro

Neta do ex-banqueiro suíço Peter Paul Arnold Luchsinger, morto em julho deste ano, e socialista declarada, Roberta Luchsinger, de 32 anos, causou alvoroço na internet nesta sexta-feira após dizer em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que doou dinheiro e apetrechos valiosos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), entre os quais destacam-se um cheque de 28 mil francos suíços (cerca de 93 mil reais) dado pelo avô, um relógio Rolex, um anel de diamantes Emar Batalha, um vestido Dolce & Gabbana, além de uma bolsa e uma mala de grife – tudo avaliado em 500 mil reais.

A doação foi feita para ajudar o petista, que teve dinheiro e bens bloqueados pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, em razão de sua condenação por corrupção e lavagem de dinheiro no processo envolvendo um tríplex no Guarujá (SP), que seria de Lula e fruto de propina oriunda de contratos da Petrobras. O bloqueio atingiu 606 mil reais em dinheiro (em contas bancárias), três apartamentos, um terreno, dois veículos e cerca de 9 milhões de reais em previdência privada no Banco do Brasil.

“Existe uma campanha pela demonização de Lula, liderada por parte da grande mídia e por setores do Poder Judiciário. A elite desse país é mesquinha, provinciana, não sabe olhar além de seu umbigo. Essa doação tem um valor simbólico: mostrar que estou com Lula, independente da minha origem social”, afirma. “Sei que sou uma estranha no ninho, mas não me incomodo.”

Roberta Luchsinger, neta de banqueiro suíço, e Lula (//Reprodução)

Em seu Facebook, pipocaram mensagens nesta sexta de internautas ovacionando ou criticando a ação. “Parabéns Roberta, Deus te abençoe”, posta uma internauta. “Aceito 100 mil para comprar uma casa”, ironiza outro. Os comentários foram feitos em postagens aleatórias feitas por ela, como num videoclipe romântico do cantor americano Gnash. “Pode ter certeza de que irei ler tudo e responder. Acho bacana isso, até mesmo os que me agridem. Quero saber o porquê”, afirma Roberta.

Roberta é popular no Facebook, em que compartilha, na maioria das vezes, notícias sobre corrupção envolvendo políticos de oposição a Lula ou artigos questionando a postura da imprensa ao tratar dos escândalos envolvendo o ex-presidente. Sua conta tem cerca de 1.500 seguidores. Um dos que mantêm interação com ela na rede social é Renato Janine Ribeiro, ex-ministro da Educação do governo Dilma Rousseff (PT). “As pessoas olham e pensam: olha que maluca! Mas quem me conhece sabe que sempre fui engajada em ajudar mesmo”, conta.

Existe uma campanha pela demonização de Lula, liderada por parte da grande mídia e por setores do Poder Judiciário. A elite desse país é mesquinha, provinciana, não sabe olhar além de seu umbigo. Essa doação tem um valor simbólico: mostrar que estou com Lula, independente da minha origem social”, afirma. “Sei que sou uma estranha no ninho, mas não me incomodo.

Roberta Luchsinger, herdeira de ex-banqueiro suiço

A bilionária, que renega o rótulo de socialite, quer se candidatar a deputada estadual pelo PCdoB, partido ao qual é filiada, no ano que vem. Ela diz que adora conhecer pessoas e “aprender com elas”. Em uma foto enviada à reportagem, Roberta aparece com trajes para jogar tênis ao lado de uma barraca de comida de rua. “Vivo indo indo atrás de churrasquinho no centro. Gosto disso, porque gosto de bater papo mesmo”, diz. “Meu motorista é meu parceirão de garfo”, conta.  

A visita a comunidades e o contato com gente de outras classes sociais é parte de sua rotina, ela diz. Na Páscoa, passou o domingo confraternizando com os moradores e distribuindo chocolates na Brasilândia, zona norte de São Paulo. “Estou sempre procurando ajudar. Isso não quer dizer que eu não vá no mínimo três vezes na semana ao [restaurante] Gero [um dos mais sofisticados restaurantes de São Paulo, do grupo Fasano]”, diz.

Roberta diz que não está na política por “oba-oba”, mas que é algo arraigado – ela diz que um bisavô foi prefeito da maior cidade suíça, Zurique, e que, outro, brasileiro, fundou a cidade de Miraí, no interior de Minas Gerais, “onde nasceu o sambista Ataulpho Alves, e onde Zé Alencar, nosso ex-vice presidente [de Lula], teve seu início de vida trabalhando com minha família”.

Casamento com o delegado

Roberta é mineira, vive em São Paulo, em Higienópolis, bairro nobre na região central de São Paulo. Ela formou-se em direito e concorreu a uma vaga de estágio no Ministério Público, mas não seguiu carreira na área. Em parte, porque conheceu o ex-delegado da Polícia Federal e ex-deputado federal pelo PCdoB Protógenes Queiroz, em 2009, com quem casou-se e teve uma filha, Guilhermina, hoje com cinco anos. Os dois se divorciaram em 2014 porque ela, diz, “se cansou de ser traída” por ele. Queiroz hoje vive na Suíça depois de ter sido condenado por violação de sigilo da Operação Satiagraha, uma das pioneiras operações da PF contra corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo políticos, empresários, doleiros e banqueiros, em 2004.

“Protógenes é um grande homem, faz falta no país. Aprendi muito com ele. Já passamos por altos e baixos, mas superamos. Admiro e gosto dele”, diz. A época em que ela conheceu o ex-delegado foi marcada por uma tragédia —um bimotor que transportava 14 pessoas da sua família, incluindo o seu tio, Roger Wright, sócio do banco Garantia, dois filhos dele, os cônjuges e três netos, explodiu durante um falha na hora do pouso em Trancoso (BA), matando membros de três gerações da família. “Fiquei muito envolvida nesse processo e me esqueci de mim. No meio dessa depressão, eu o conheci, e ele foi a pessoa que mais me apoiou e mais me deu força”, contou, em uma entrevista a um programa na internet.

Roberta Luchsinger, com o ex-marido Protógenes Queiroz, e os filhos em foto tirada na Suíça, onde o ex-delegado da PF mora (//Reprodução)

Depois de Protógenes, ela namorou por cerca de seis meses com outro político —Gustavo Braga, ex-prefeito de Jaguariúna (SP). Hoje ela se diz solteira, “mas não sozinha”.  Tem outra filha, Valentina, de 11 anos, de um relacionamento anterior ao com Protógenes. 

Roberta tentou se aventurar em outros empreendimentos. Chegou a ter um blog de dietas e produziu e participou de um programa de televisão da revista de automobilismo Car and Drive, que foi exibido em 2016 pelo canal pago BandSports. Em um dos episódios, ela aparece dirigindo uma Lamborghini Gallardo no Autódromo de Modena, na Itália. “Não é a minha praia, mas foi legal. Gosto de conhecer novas oportunidades. Eu estava, digamos, tentando outros olhares para definir dentre as minhas paixões qual falaria mais alto. Não deu outra… política, política e política”.

CORREÇÃO: A primeira versão desta reportagem informava erroneamente que Roberta Luchsinger é herdeira do Credit Suisse – ela não tem relação com o banco. Roberta é herdeira do banqueiro suíço Peter Paul Arnold Luchsinger, morto em julho deste ano, ex-acionista do banco, e sobrinha de Roger Wright, ex-diretor do Credit Suisse, que morreu em 2009.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Rodrigo Fattori

    Essa socialite socialista comprova a máxima de que o comunismo só se sustenta com o dinheiro dos outros, no caso o de sua família.

    Curtir

  2. Adriana Santos

    ahhh! Voces NAO SACARAM……! ESSA E A FORMA DE TRAZER A GRANA , DINHEIRO DE LULA DA SUICA. !!! MAIS UMA GLEISI ROFMAN NA POLITICA. ESSA NAO DEU PARA NADA NA VIDA E PENSA QUE VAI ENGANAR OS TROUXAS. O PIOR, E POVO SEM VERGONHA VOTA NESSA PALAHCA….BOA JOGADA SUA E DO LULA…..! PARABENS , O BRASILEIRO GOSTA DO QUE NAO PRESTA.

    Curtir

  3. Adriana Santos

    FORMA DE TRAZER A GRANA DE VOLTA DA SUICA. BOA IDEIA

    Curtir

  4. chacalpowers

    Rodrigo Fattori: Concordo integralmente. Essa sujeita é o tipo rebelde sem causa.

    Curtir

  5. Geraldo Bohessef Bou Assaf

    Imaginem quanto o Lula e Dilma não engordaram o lucro desse banco, pagando os juros abusivos que pagavam aos banqueiros. Chamavam FHC de pai dos banqueiros porque o Brasil pagava mais de R$40 bilhões por ano de juros, e no governo do PT chegou a pagar R$580 Bilhões. Além do mais, a conta secreta que Lula e Dilma devem ter nesse banco não deve estar no gibi, essa doação é só mais uma lavagem de dinheiro, forma de internar o dinheiro que o Lula tem lá fora.

    Curtir

  6. Giovani Justo Como Dedo N´água

    Só pode ser piada da Veja. Uma pessoa que se diz herdeira de um banco de mais de 150 anos, morando no Brasil ? Outra coisa, precisaria dar roupas e jóias usadas ? Tem rato nesta guampa !

    Curtir

  7. Edson Magalhães

    Olha o novo esquema de lavagem de dinheiro via “doação”. Temos que reconhecer: os petralhas são muito criativos.

    Curtir