Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Protestos tomam as ruas em 11 capitais às 17 horas

Atos de tom político e comemoração pela redução da tarifa de transporte estão mantidos nesta quinta-feira; sedes do Executivo e Legislativo são cercadas

As principais cidades do país devem parar novamente às 17 horas desta quinta-feira por causa da onda de protestos iniciados por causa do aumento na tarifa de transporte. Atos estão marcados em pelo menos onze capitais, onde a Polícia Militar (PM) deve reforçar a presença ostensiva nas ruas para conter o vandalismo de grupos radicais que acompanham as manifestações.

Em São Paulo e no Rio de Janeiro, cidades que tiveram a redução da tarifa anunciada por governos estaduais e prefeituras nesta quarta-feira, as manifestações foram mantidas como forma de comemoração e apoio aos protestos nas demais cidades. O Movimento Passe Livre (MPL) de São Paulo, por exemplo, disse, em nota, que vai sair às ruas “em apoio a todos os companheiros presos, detidos e processados durante os atos contra o aumento, contra a criminalização do movimento”.

Leia também:

Prefeitura de SP gastará R$ 8,6 bi até 2016 para bancar subsídios à tarifa

Reinaldo Azevedo: A nota asquerosa do PT

Ricardo Setti: o que vem depois?

Desde a semana passada, a pauta das manifestações se ampliou. Além do transporte de qualidade e baixo custo, os manifestantes prometem agora dar ênfase ao combate à corrupção, votação da PEC 37 (proposta de emenda constitucional que reduz poder de investigação do Ministério Público), prisão dos mensaleiros, gastos públicos excessivos com a Copa do Mundo e Copa das Confederações, e mais uma série de bandeiras políticas.

Apesar de o estopim e principal pleito dos protestos ter sido atendido, o número de manifestantes envolvidos nos protestos deve crescer. Em redes sociais usadas para a convocação dos atos, como o Facebook, o número de confirmações de presença passava das 438.000 pessoas até a manhã desta quinta, somente em São Paulo (Avenida Paulista) e no Rio (Igreja da Candelária).

Grande movimentação também é aguardada para Brasília. Depois de a área externa e o teto do Congresso Nacional terem sido ocupados, o governo federal orientou o Batalhão da Guarda Presidencial (BGP) a evitar a aproximação de manifestantes e cercou com grades duplas o Palácio do Planalto. A Polícia do Exército também agirá na parte interna do Planalto. Na área externa, o PM do Distrito Federal será responsável por garantir a ordem.

Como viraram alvo de vandalismo nas últimas manifestações, as sedes dos poderes Executivo e Legislativo estão se preparando para enfrentar as multidões. Pelo país, prefeituras e governos estaduais cercam seus edifícios com gradil, guardas municipais e policiais militares; câmaras municipais, assembleias legislativas adotam a mesma medida e convocam a PM para ficar de prontidão.

Em Salvador, a preocupação é por confrontos entre manifestantes e policiais no entorno da Arena Fonte Nova, estádio onde jogam Nigéria e Uruguai pela Copa das Confederações – assim como a partida entre Espanha e Taiti no Maracanã, no Rio. Tropas de Choque da PM têm mantido as imediações dos estádios isoladas, com uso de bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Há manifestações agendadas em Belo Horizonte, Manaus, Belém, Cuiabá, Goiânia, Campo Grande e Palmas.

(Com Estadão Conteúdo)