Prisão foi ‘desnecessária’, diz defesa de Geddel

Ex-ministro foi preso pela PF em ação da Operação Cui Bono?, que apura um esquema de corrupção na Caixa

A defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima definiu como “absolutamente desnecessário” o decreto de prisão preventiva do político. Em nota divulgada na noite desta segunda-feira, o advogado Gamil Föppel disse que há “ausência de relevantes informações” para basear a decisão e definiu como “erro” da Justiça Federal a autorização para a prisão de Geddel.

O ex-ministro foi preso preventivamente na tarde desta segunda por determinação da Justiça Federal. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Geddel estaria tentando obstruir a investigação de suspeitas de irregularidades na liberação de recursos da Caixa Econômica Federal. A prisão preventiva foi pedida pela PF e pelos integrantes da força-tarefa da Operação Cui Bono?, a partir de informações fornecidas em depoimentos do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, do empresário Joesley Batista e do diretor jurídico do grupo J&F, Francisco de Assis e Silva, sendo os dois últimos em acordo de colaboração premiada.

Na nota, Föppel diz que Geddel, desde o início das investigações, se colocou à disposição para prestar esclarecimentos, mas nunca foi intimado pela Justiça. Para a defesa, isso representa uma “preocupação policialesca muito mais voltada às repercussões da investigação para a grande imprensa, do que efetivamente à apuração de todos os fatos”.

A defesa do ex-ministro sustenta ainda que o empresário Joesley Batista foi “enérgico em pontuar que jamais pagou propina” ou qualquer vantagem indevida a Geddel.

“Sabedor da sua inocência e confiante na altivez do Poder Judiciário, o senhor Geddel Vieira Lima segue inabalável na reparação do cerceamento às suas liberdades fundamentais”, diz a nota.

Na semana passada, VEJA revelou que o polític temia ser preso a qualquer momento. “Recolhido em seu apartamento com vista privilegiada de Salvador, o ex-ministro chora copiosamente no ombro dos poucos amigos com quem ainda conversa. Também tem abusado do uso de álcool”, relatou a reportagem.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Prisão não foi “desnecessária”…..foi sim “inútil”…..Já..já…um dos traidores da Pátria canalhas corruptos bandidos de “toga” solta ele…..novidade nenhuma. Enquanto tivermos esses de “toga” no Supremo COVIL Federal vai ser assim..a PF prende e eles( os da toga) soltam.
    PS: e ainda dão elogio como o outro de toga no caso do cheirador de pó o Aécio.

    Curtir