Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Presidente da OAB critica ideia de ministro de grampear advogados

Claudio Lamachia diz que proposta de Raul Jungmann de gravar encontros entre presidiários e defensores joga culpa da criminalidade sobre advogados

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, criticou, neste sábado, a sugestão do ministro da Defesa, Raul Jungmann, de gravar advogados de presidiários em visitas a seus clientes. Para o chefe da entidade máxima da advocacia, o Estado é o “principal responsável pela crise de Segurança Pública no Rio de Janeiro” e está “jogando para os outros a responsabilidade da criminalidade”.

“Face a incapacidade em utilizar de métodos de inteligência investigativa, algo elementar na abordagem moderna de combate ao crime, mira a advocacia, como se dela fosse a culpa pela existência das quadrilhas que comandam as prisões”, diz Lamachia, que pondera que a OAB punirá profissionais que cometerem “atos ilegais”.

O presidente da OAB ressalta que proposta de Jungmann “confunde a sociedade, dando a entender que os profissionais são responsáveis pelo avanço da violência”.  “A gravação de qualquer comunicação entre advogadas ou advogados e clientes é crime, prática que jamais deveria ser defendida por quem quer que seja, especialmente por aqueles que fazem parte do sistema de Justiça”, completa Claudio Lamachia.

Jungmann se reuniu nesta sexta-feira com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e declarou que é necessário limitar a comunicação entre presos e visitantes, que, segundo ele, faz das cadeias o “home office do crime”. As declarações foram dadas em meio à guerra entre facções criminosas pelo controle da favela da Rocinha, na zona sul do Rio, que se instaurou no último domingo. As Forças Armadas enviaram 950 homens à comunidade ontem.

“A procuradora-geral deu uma sugestão que é colocar parlatórios dentro dos presídios e espero que seja seguido pelos Estados”, disse o ministro. Para Raul Jungmann, o contato dos presos com advogados e familiares livremente faz com que eles consigam comandar de dentro da prisão o crime nas ruas.

“A relação de um advogado e uma pessoa que cometeu crime é uma coisa. Mas advogado de um bando pode ser ameaçado e chantageado. Não quero criminalizar os advogados, estou dizendo que temos casos diferentes”, destacou. Segundo Jungmann, a sugestão seria levada à OAB.

(com Estadão Conteúdo)

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. wilson de souza lima

    Creio que a instalação de um sistema como o proposto pelo ministro poderá proteger, inclusive, os próprios advogados, especialmente aqueles menos experientes, que estejam atuando como defensores desse tipo de criminoso integrante de quadrilhas do tráfico. A OAB precisa considerar esse aspecto.

    Curtir

  2. Pacífico Guerra

    O que esse presidente da OAB esta fazendo é corporativismo, poi a muitos dos crimes autorizados de dentro das prisões vem através dos advogados, em sua maioria inescrupuloso. Quem não deve não teme.

    Curtir

  3. JOSE ROBERTO DE LIMA MACHADO

    A própria OAB deveria ter seu “Serviço de Inteligência” para fazer esse controle.Quando for o caso, interveria junto ao “profissional-marginal”.

    Curtir

  4. ViP Berbigao

    Qto deboche desses capas pretas… então quem soltou a nata do crime por morosidade no julgamento foi a polícia!? Até qdo vão achar q todos os brasileiros são otários nesse nível?

    Curtir

  5. Se fizer isso, vão descobrir a maior máfia da história.

    Curtir

  6. Luiz Chevelle

    OAB quer continuar a ser garoto de recados de bandidos.

    Curtir

  7. JOSE ROBERTO DE LIMA MACHADO

    Acredito, que os “protocolos” da atividade dos profissionais do Direito no Brasil, estão necessitando de uma atualização crítica e sintonizada com uma época/situação de “limpeza ética” e “aperfeiçoamento da cidadania”.

    Curtir