Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Para governo, emendas devem bancar novo fundo eleitoral

O fundo de R$ 3,6 bilhões servirá para bancar campanhas eleitorais. Base aliada pressiona para seja abastecido com com recursos já existentes no orçamento

Líderes da base aliada do governo no Congresso pressionam para que o fundo público de R$ 3,6 bilhões para bancar campanhas eleitorais seja abastecido com recursos já existentes no Orçamento, como emendas parlamentares e verbas controladas pelos partidos. Se prevalecer a forma como a comissão da Câmara aprovou a criação do Fundo Especial de Financiamento da Democracia (FDD), o governo vai ter de lidar com uma nova despesa no ano que vem, em meio aos problemas de receita e discussão da revisão da meta fiscal.

A proposta de utilizar as emendas como fonte de financiamento do fundo é capitaneada pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e pelo presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE). A ideia, contudo, encontra forte resistência entre os deputados – parte da Câmara defende que o dinheiro do fundo eleitoral saia do Tesouro e as emendas sejam preservadas.

Líderes do governo sugerem descontar dinheiro de três fontes para repassar ao fundo eleitoral: das emendas impositivas de bancadas estaduais, da propaganda partidária e das fundações e institutos custeados com o Fundo Partidário. Isso reduziria recursos nas mãos dos parlamentares e dos dirigentes.

“A proposta que eu fiz não tira dinheiro da Educação, da Saúde, de lugar nenhum. Eu defendo uma parte da desoneração da TV, com propaganda partidária, e outra parte das emendas. Não é para ter gasto”, disse Jucá. Eunício batizou a proposta de “cesta de recursos” e disse que ela pode evitar “uma nova crise econômica”.

Os deputados, no entanto, deixaram a “cesta” fora do texto que seguirá para votação em plenário. O relatório aprovado na comissão especial da Câmara indica que o FDD será composto por recursos equivalentes a 0,5% da receita corrente líquida – um gasto extra em anos eleitorais.

O fundo eleitoral é a alternativa que parlamentares encontraram para financiar as eleições depois que o Supremo Tribunal Federal proibiu em 2015 a doação de empresas para as campanhas. Para ter validade já em 2018, o FDD precisa ser aprovado na Câmara e no Senado até o fim de setembro, um ano antes das eleições.

O relator da reforma política, Vicente Cândido (PT-SP), disse que os deputados não aceitaram abrir mão das emendas coletivas e que a aprovação do fundo eleitoral ficaria ameaçada caso essa previsão entrasse em seu parecer final. “Os parlamentares calculam que um dos instrumentos para alavancar o mandato e trabalhar pela reeleição é ter emendas”, disse.

Fontes de dinheiro

Na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018 está previsto que as emendas coletivas serão a principal fonte para o fundo eleitoral. As outras duas fontes seriam: 10% do Fundo Partidário – R$ 81,9 milhões, obtidos pelo corte pela metade da fatia destinada às fundações partidárias – e a extinção da propaganda partidária no rádio e na TV exibida anualmente fora do período eleitoral. Este ano o governo previu deixar de arrecadar R$ 320 milhões das emissoras como renúncia fiscal para garantir a exibição desses programas e inserções das legendas.

Contingenciamento

As emendas coletivas impositivas – aquelas que o governo é obrigado a pagar para projetos de bancadas parlamentares – estavam previstas em R$ 6 bilhões neste ano, mas caíram para R$ 3,072 bilhões com as revisões e contingenciamentos. Há ainda as emendas individuais, que os parlamentares podem apresentar projetos separadamente, que não serão mexidas nem entram nessa conta.

A avaliação da área econômica do governo é de que a vinculação do fundo à receita corrente líquida é um problema significativo do ponto de vista fiscal. Em meio ao crescimento de outras despesas obrigatórias, como benefícios da Previdência Social, o Executivo terá de garantir recursos para o fundo em um Orçamento cada vez mais apertado. Além disso, os valores podem ficar ainda maiores à medida que houver recuperação da economia e da arrecadação.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Silvia Valle

    É dinheiro oriundo de Reformas, ou seja, mais uma vez estão nos fazendo de palhaços.

    Curtir

  2. Extinção do Fundo Partidário já!!! Voto se ganha nas ruas, na internet, em debates! Despesas são arrecadadas com doações privadas declaradas e fiscalizadas, em quermeçes, festas, etc…Chega de pagarmos as contas dessa categoria “políticos”!!!!

    Curtir

  3. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    A SOCIEDADE DIZ CATEGORICAMENTE NÃO! Esse debate deve extender à sociedade e o STF deve voltar atrás e permitir o financiamento privado desde que a empresa doadora não forneça serviços ou produtos ao Estado.

    Curtir

  4. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Empresas podem doar desde que não participem de licitações.

    Curtir

  5. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Financiamento partidário deve ser privado e por afinidade política. E tudo tem que ser auditado pela Receita Federal e em caso de crime é cana pela Polícia Federal.

    Curtir

  6. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    O dinheiro pertence ao contribuinte, é ele que decidi o que deve ser feito com os impostos. NÃO AO FINANCIAMENTO PÚBLICO PARTIDÁRIO!

    Curtir

  7. Pra isso é para roubar tem dinheiro. Depois vem com a história de que o rombo aumentou !!!

    Curtir

  8. Paulo Roberto Correa Lima

    TÁ DIFÍCIL.

    Curtir