Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O cerco de Moro

Diante de Lula, o juiz extrapola o tema da ação, busca contradições e usa pitadas de ironia. Pelo menos uma vez, não resistiu a entrar no debate político

O juiz Sergio Moro deu fartas mostras do “estilo Moro” de interrogar na audiência de cinco horas com o ex-­presidente Lula. Manteve o tom cordial da voz na maior parte do tempo, usou pitadas de ironia em outros momentos e, sobretudo, exercitou o papel que no meio jurídico se costuma chamar de “juiz promotor” — aquele que tende a ser ativo nos processos e interrogatórios, e que, em alguns casos, na etapa de investigação, chega a orientar a obtenção de provas. Essa postura ficou clara com o uso da estratégia de voltar repetidamente a pontos específicos do depoimento e ir além da questão central da ação (o tríplex do Guarujá) para tentar identificar possíveis contradições do petista. Trata-se de um comportamento pouco tradicional no Judiciário brasileiro e frequente na Justiça americana, escola que Moro habitualmente usa como inspiração.

A estratégia do juiz surtiu efeito em dois momentos: quando Lula declarou que seu encontro com o ex-diretor da Petrobras Renato Duque fora intermediado pelo então tesoureiro do PT, João Vaccari (momentos antes, havia dito não saber se Vaccari e Duque tinham qualquer relação), e quando afirmou que seu filho foi quem lhe falou sobre o estado do tríplex do Guarujá depois da primeira visita da família (mais tarde, apontou a mulher como a interlocutora desse assunto).

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Michel Duart

    Vendo o depoimento, não​ vi essa segurança toda

    Curtir

  2. João do Goiás

    Moro tem voz de são-paulino! É um tédio o seu interrogatório, principalmente por que ele é muito repetitivo!

    Curtir

  3. João do Goiás

    Há um tempo, era Demóstenes. Depois, Joaquim. Agora, Moro! Como estamos pobres de “ídolos”!!!

    Curtir

  4. márcio cardoso

    Sou policial e já fui centenas de vezes em fóruns depor como testemunha. Tranquilamente falo: pouquíssimas vezes o juiz não agiu como Moro. Sinceramente, não vejo nada de mais. É a busca da verdade real.

    Curtir

  5. lord evil kovero

    juiz tucano que dar de humilde faça me favor globo não paga um restaurante para ele golpistas

    Curtir

  6. Ezequiel Bentes

    Esse cara não mente é a alma mais honesta da terra.

    Curtir

  7. Roberto Galdi

    Temos que mudar tudo que está acontecerão pois faltou a justiça funcionar,como Joaquim Barbosa grande homem do nosso judiciário, uma luz no final do túnel apareceu o Dr meretissimo juiz Sérgio Moro,conseguiram descobrir nesses catorze anos de golpista que saquearam o Brasil, fuzilamento seria melhor pois ninguém cometeria tantos deslizes,que o país está, um descontrole por falta de competência dos ministros do governo são milhares de raposas querendo mais e mais são nessa ganância por roubar, caixa dois, na República das bananas,mais o juiz Sérgio moro acabará com todos esses ratos da democracia brasileira,Deus salve o Brasil

    Curtir