Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nível do Sistema Cantareira, enfim, para de cair

Com a chuva dos últimos dias, reservatórios conseguiram manter capacidade em 11,9%; governo estuda uso de máquina que 'fabrica' água

As chuvas que caíram sobre o Sistema Cantareira na segunda-feira ajudaram a, finalmente, frear a queda da capacidade do manancial, que desde 27 de setembro caía diariamente. O volume de chuva, contudo, ainda não foi suficiente para elevar o nível do sistema, que amanheceu estável em 11,9% da capacidade. Responsável pelo abastecimento de cerca de 6,5 milhões de pessoas na Grande São Paulo, o Cantareira enfrenta a pior seca dos últimos 84 anos.

A chuva que chegou ao Estado de São Paulo no sábado deve permanecer pelos próximos dias. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a previsão para a quarta-feira é de chuva moderada a forte, descargas elétricas e rajadas de vento em áreas isoladas no Mato Grosso do Sul, São Paulo, sul e Região Serrana do Rio de Janeiro, Zona da Mata e sul de Minas Gerais. Além dessas condições, também poderá ocorrer acumulado significativo de chuva no leste e sudeste de São Paulo.

A notícia traz alívio ante a forte estiagem que o Estado de São Paulo vem sofrendo. Para amenizar os baixos índices pluviométricos do mês de setembro, o acúmulo de chuva precisa ser significativo e as precipitações precisam acontecer nos lugares certos, nas cabeceiras dos reservatórios. As represas de Jaguari e Jacareí, por exemplo, estão localizadas no sul de Minas e devem receber chuvas neste fim de semana.

De acordo com o Inmet, o atual quadro de chuvas favorece o acúmulo de água nos reservatórios. Mas apenas uma enxurrada não ameniza o problema: 70% da água da chuva que cai sobre os reservatórios evaporam, 20% são absorvidos pela vegetação e pelo solo secos e apenas 10% ficam retidos nos mananciais (veja quadro abaixo).

Leia também:

Tudo é água

O novo pensamento econômico sobre a água

Seca em SP deve continuar em 2015, diz cientista

O engenheiro mecatrônico apresentou sua proposta durante reunião com representantes da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos. O local para a possível instalação foi escolhido pelo maior índice de umidade, que varia entre 50% e 90%. De acordo com ele, este projeto será o maior do mundo, se for aceito – ainda sem estimativa de custo, no entanto.

Segundo o jornal, o preço das máquinas varia de acordo com a quantidade de água produzida. Um equipamento que produz 30 litros de água por dia custa 7.000 reais. Já um que consegue produzir 5.000 litros de água por dia chega a custar 350.000 reais.