‘Natural que os poderosos reajam’, diz Deltan sobre Lula

Procurador que coordena as investigações da Operação Lava Jato afirmou ontem que o ex-presidente era o "comandante" do petrolão

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, afirmou nesta quinta-feira que “é natural que pessoas investigadas reajam” – numa referência aos ataques do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra os procuradores na tarde de hoje. O petista foi denunciado ontem por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá, de que ele nega ser dono. Além de Lula, a mulher dele, Marisa Letícia, e outros seis investigados são alvo da acusação por suposto envolvimento no esquema Petrobras de propinas.

“É natural que essas pessoas investigadas reajam. E quando essas pessoas são poderosas econômica e politicamente as reações tomam vulto. Não nos surpreendemos, encaramos com naturalidade”, disse Deltan, durante o evento “Semana da Democracia” realizado na tarde desta quinta-feira, em Curitiba, base da força-tarefa da Lava Jato. O procurador falou sobre o projeto 10 Medidas contra a Corrupção, iniciativa do Ministério Público Federal que ele defende vigorosamente.

LEIA TAMBÉM:
Lula e Dilma controlavam arrecadação de propinas, diz delator
Denunciado, Lula se faz de vítima. E nada explica sobre acusações

Ontem, o procurador classificou Lula como “comandante máximo do esquema de corrupção” instalado na Petrobras. Ele e outros procuradores da força-tarefa deram entrevista coletiva a dezenas de jornalistas, inclusive do exterior, com uso de power point – expediente que rendeu críticas de aliados de Lula nas redes.

Dallagnol relembrou que esse modo de divulgação da acusação contra investigados já foi adotado em outros “momentos decisivos e transformadores da Lava Jato”, ao longo de seus dois anos e meio de existência.

Sobre os questionamentos que tem ouvido e lido, de que não teria apontado provas contra o petista, o procurador reportou-se à sétima fase, deflagrada em novembro de 2014, que levou à cadeia o primeiro grupo de empreiteiros acusados de liderar o cartel que corrompia agentes públicos e políticos. E lembrou, ainda, da 14ª etapa, Erga Omnes, em junho de 2015, que alcançou a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, as duas maiores construtoras do país.

“Na 14ª fase chegamos a duas das maiores empreiteiras. No mesmo dia uma dessas empresas fez uma (entrevista) coletiva afirmando que não tínhamos mais do que indícios e presunções”, disse Deltan, numa alusão direta à estratégia de defesa de Lula que questiona o rol probatório da Lava Jato na denúncia contra o ex-presidente.

“Falamos em presunções, embora tivéssemos provas que consistiam nos depósitos pelas empreiteiras no exterior nas contas de funcionários públicos corrompidos”, destacou o procurador, para quem o diagnóstico da Lava Jato é “perturbador”.

Segundo o coordenador das investigações da Lava Jato, o esquema “mostrou-se muito mais amplo, envolvendo outras estatais como a Eletrobrás e o Ministério do Planejamento”.

Ele rechaçou argumento reiterado de aliados de Lula sobre uma suposta motivação político-partidária da acusação. Disse que mais de trezentos investigadores estão mobilizados para as investigações. “Somos treze procuradores, cinquenta técnicos do Ministério Público Federal, quarenta auditores da Receita e equipes numerosas da Polícia Federal, todos concursados e sem qualquer histórico de vida político-partidária. Todos fazem parte dessa ‘conspiração’?”, ironizou.

No início da palestra, Deltan arrancou aplausos e gargalhadas da plateia, ao ironizar a repercussão sobre o uso de power point na coletiva da quarta-feira, quando foi anunciada a denúncia formal contra Lula. “Vou decepcionar vocês porque não vou falar (sobre a denúncia), nem vou usar nenhum slide aqui’.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Regina Farinelli

    Incrível.. todos mentem.. delatores, e-mails, fotos, gravações tudo é mentira só a alma mais honesta da face da terra fala a verdade
    é achar que as pessoas são alienadas mesmo…..

    Curtir

  2. Tatiane Campos

    Deltan parabéns pela apresentação o Brasil entendeu foi muito bem desenhado.

    Curtir

  3. jorge chammas

    Dallagnol, estamos com você. Pau nessa cambada. Bate firme.

    Curtir

  4. André de Moraes

    Graças a sua apresentação, eu consegui entender o ‘modus operandi’ da quadrilha. Felizmente o Brasil conta com profissionais públicos como você e seus colaboradores, para fazer valer a lei. Obrigado Deltan.

    Curtir