Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministério frágil marca o primeiro ano do governo Temer

Com nove ministros alvos de inquérito no STF e sete demitidos, o presidente já afirmou que só afastará em definitivo os políticos que se tornarem réus

O presidente Michel Temer completa nesta sexta-feira um ano de governo. Temer foi empossado como presidente em 12 de maio de 2016 após o impeachment de Dilma Rousseff ser confirmado no Senado Federal. Entre as crises enfrentadas pelo governo Temer, uma das que mais se destacam é a dificuldade em manter a austeridade dos ministérios. Desde que assumiu o Palácio do Planalto, o presidente viu seus ministros envolvidos em escândalos de corrupção – sete deles não estão mais no cargo e nove dos atuais são alvos de inquérito na Operação Lava jato.

Logo nos seis primeiros meses de governo, seis ministros foram demitidos ou entregaram cartas de demissão – uma média de um ministro por mês. Em fevereiro, Temer criou um novo ministério –  a Secretaria-Geral da Presidência – e blindou Moreira Franco, que passou a ter foro privilegiado. Moreira, que foi citado por delatores da Odebrecht na Lava Jato, era secretário Programa de Parcerias e Investimentos. Na planilha da empreiteira, o agora ministro é identificado como “gato angorá” e foi citado 30 vezes em delações.

Ainda no mesmo mês, o ministros das Relações Exteriores, José Serra (PSDB-SP) pediu demissão alegando problemas de saúde. Para ocupar a vaga deixada por Serra, o presidente nomeou Aloysio Nunes (PSDB-SP) – citado em delação premiada do empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, no âmbito da Operação Lava Jato. Segundo Pessoa, ele e Aloizio Mercadante, ex-ministro da Educação, receberam receber valores em espécie e caixa dois para campanhas eleitorais. Em setembro de 2015, o ministro Celso de Mello autorizou abertura de inquérito sobre o caso, que está sob sigilo.

Em março, o ministro da Agricultura Osmar Serraglio (PMDB-PR) foi flagrado em um grampo telefônico realizado pela Polícia Federal (PF) durante as investigações da Operação Carne Fraca. Na gravação, Serraglio, quando era deputado federal, conversa com o superintendente do ministério no Paraná entre 2007 e 2016, Daniel Gonçalves Filho. No diálogo, Daniel é informado pelo agora ministro sobre problemas que um frigorífico de Iporã, no Paraná, estaria tendo com a fiscalização do Ministério da Agricultura. Serraglio se refere a ele como “grande chefe”. Apesar de o grampo causar mal-estar no Planalto, Serraglio permanece no cargo e não foi alvo da PF na operação.

Em abril, após a autorização de abertura de inquérito pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) contra 108 pessoas com base na lista de Janot, Temer viu nove ministros envolvidos – Eliseu Padilha (PMDB), da Casa Civil, Moreira Franco (PMDB), da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Kassab (PSD), da Ciência e Tecnologia, Helder Barbalho (PMDB), da Integração Nacional, Aloysio Nunes (PSDB), das Relações Exteriores, Blairo Maggi (PP), da Agricultura, Bruno Araújo (PSDB), das Cidades, Roberto Freire (PPS), da Cultura, e Marcos Pereira (PRB), da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Padilha e Kassab terão duas investigações cada um.

Réus serão afastados, diz Temer

Após nomear Moreira Franco, Temer anunciou durante um pronunciamento que apenas os ministros que se tornarem réus serão afastados em definitivo do cargo. “Se houver denúncia, o que significa um conjunto de provas que possam conduzir ao seu acolhimento, o ministro que estiver denunciado será afastado provisoriamente. Depois, se acolhida a denúncia, e a pessoa, no caso o ministro, se transforme em réu, o afastamento é definitivo”, afirmou o presidente na ocasião.

Os ministros caídos

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Social Democrata Nem Direita Nem Esquerda

    Parabéns presidente. Continue firme até 2018. O Brasil precisa de estabilidade no momento.

    Curtir

  2. Bora, Temer! Adiante com as reformas! Hoje é dia de comemoração: um ano com os populistas retrógrados fora do poder!

    Curtir

  3. Marcos Cohen

    Um governo frustrante, mesmo para os que apoiaram o impeachment. Reformas equivocadas, falta de menções e prioridades ao necessário, desempenho aquém na economia, e o pior, a prática de trocar emendas por votos. A pinguela é o melhor cabo eleitoral da esquerda para 2018. Constituinte já, sem políticos!

    Curtir