Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Marta volta a criticar Dilma: ‘Faz a vaca engasgar de tanto tossir’

Senadora fez duros ataques à presidente e ao PT em artigo. Afirma que Dilma age sem transparência e que partido está atarantado sob 'sérias denúncias'

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) deu sequência nesta terça-feira às duras críticas que tem feito à presidente Dilma Rousseff e ao PT. Em artigo publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, Marta ataca a condução da política econômica por Dilma – e afirma: não houve transparência do governo federal diante do cenário econômico.

Leia também:

PT versus PT: o que importa mesmo é o projeto do poder

Com Chalita vice de Haddad, PMDB se fecha para Marta

Sem esconder mal-estar, cúpula do PT se cala sobre Marta

Marta ataca Dilma e o partido: ‘Ou PT muda ou acaba’

“Temos vivido crises de todos os tipos: crise econômica, política, moral, ética, hídrica, energética e institucional. Todas elas foram gestadas pela ausência de transparência, de confiança e de credibilidade”, escreve a senadora. “Se tivesse havido transparência da condução da economia no governo Dilma, dificilmente a presidente teria aprofundado os erros que nos trouxeram a esta situação de descalabro”, continua. Marta trata na sequência do aumento das tarifas promovido no primeiro mês do novo mandato da presidente, além do cenário de inflação alta e elevação dos juros. Ainda critica o que chamou de “diminuição dos direitos trabalhistas”. Para a senadora, Dilma faz “a vaca engasgar de tanto tossir”.

Marta critica a nomeação de um nome que “agrada ao mercado e à oposição” para a Fazenda, em referência a Joaquim Levy, sem que a presidente tenha dito uma palavra a respeito. “Se tudo ia bem, era necessário alguém para implementar ajustes e medidas tão duras e negadas na campanha? Nenhuma explicação”. E prossegue: “O PT vive situação complexa, pois embarcou no circo de malabarismos econômicos, prometeu, durante a campanha, um futuro sem agruras, omitiu-se na apresentação de um projeto de nação para o país, mas agora está atarantado sob sérias denúncias de corrupção”.

Na sequência, a senadora critica o silêncio da presidente Dilma Rousseff, que não fala em público desde sua posse, em 1º de janeiro. “A peça se desenrola com enredo atrapalhado e incompreensível. O diretor sumiu”, finaliza.