Maia exige 342 deputados para votar denúncia contra Temer

O presidente da Câmara dos Deputados afirmou que tentará mobilizar os partidos para reunir o quórum necessário na segunda-feira, último dia antes do recesso

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira que só permitirá a votação da denúncia por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer (PMDB) quando 342 deputados estiverem no plenário. O quórum estabelecido por Maia é a mesma quantidade de votos que os opositores de Temer precisarão para aprovar a acusação apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

“Qualquer decisão diferente desta significa risco de o Supremo Tribunal Federal (STF) cancelar a votação”, justificou Maia, que se comprometeu a conversar com as lideranças do partido para tentar realizar a votação na segunda-feira, último dia antes do recesso parlamentar.

“Nós podemos começar a discussão com qualquer quórum, mas só podemos começar a votação com 342. Amanhã [sexta-feira] é difícil votar, mas se nós anunciarmos para segunda-feira, podemos mobilizar o plenário. Eu ouvirei os líderes, já que cada um sabe quantos parlamentares de cada partido estarão em Brasília”, declarou Maia. 

Nesta quinta, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara rejeitou por 40 a 25 o parecer do relator Sergio Zveiter (PMDB-RJ), que recomendava a aceitação da denúncia contra Temer. A decisão, positiva para o Planalto, ocorreu após as trocas de dezessete membros da comissão, dos quais doze titulares com direito a voto.

Temer tem mobilizado a base aliada para evitar que a votação da denúncia fique para a primeira semana de agosto. O governo acredita que o surgimento de fatos novos poderão desgastar ainda mais a imagem do presidente. Se for aprovada no plenário da Câmara, a acusação será encaminhada ao STF, que, se decidir recebê-la, transformará Temer em réu e o afastará por até 180 dias, prazo que a Corte terá para julgá-lo. Durante esse período, o cargo é assumido interinamente por Maia.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Célio Azevedo

    Temer não cai.

    Curtir