Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça manda sem-terra deixar parte de área ocupada em Curitiba

Decisão atende concessionária que opera trens ao lado do terreno onde estão militantes do MST que foram à cidade apoiar Lula em depoimento ao juiz Moro

A Justiça Federal do Paraná concedeu liminar para determinar a reintegração de posse de uma parte da área ocupada por militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Curitiba, onde aguardam o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz Sergio Moro, em processo referente à Operação Lava Jato.

Desde a noite de segunda-feira, dezenas de ônibus chegaram ao local trazendo sem-terra do próprio Paraná e de outros estados. A área fica perto dos terminais rodoviário e ferroviário da cidade e sua ocupação teve aval da prefeitura, do estado e da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), que é dona do terreno.

A questão é que os manifestantes montaram suas barracas além da área permitida, invadindo um pedaço que é administrado pela América Latina Logística (ALL), empresa que ganhou a concessão para operar a malha da antiga Rede Ferroviária Federal (RFFSA).

“A referida área é operacional, afeta o bom desenvolvimento das atividades ferroviárias de transporte de cargas”, afirma a empresa no pedido de reintegração de posse. “O local (…) é destinado à manobra de trens, sendo que todas as pessoas e estruturas que ali se encontram estão em risco”, completa.

O juiz Friedmann Anderson Wendpap concordou. “O ponto maior de preocupação externada pela ALL é a própria segurança dos manifestantes, dentre os quais há crianças, considerando que se trata de área em que os trens fazem manobras e outras operações de execução essencialmente perigosa e que exigem atenção diversificada”, escreveu na decisão.

Marcha

Empunhando faixas com dizeres “Fora Temer” e “Diretas Já”, tochas acesas e bandeiras do MST, militantes iniciaram nesta noite uma marcha em apoio a Lula. Eles seguirão do acampamento no terminal rodoferroviário até a Praça Tiradentes. Os organizadores estimam em 4 mil pessoas na marcha.

À frente da marcha, o líder do MST, João Pedro Stédile, disse que, apesar de Moro ter negado pedido da defesa de Lula para que o depoimento seja transmitido ao vivo, a militância espera que o juiz volte atrás da decisão.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Tadeu Passarelli

    Não são “trabalhadores” e não são sem terra. Recebem terrenos de graça e VENDEM. Conheço êsses acampamentos, pegam gente da cidade mais próxima (Brasilândia, MS por exemplo) prometem que vão ganhar fazenda. De noite não tem ninguém nos acampamentos, vão todos dormir em casa…

    Curtir