Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Juiz dá cinco dias para manifestantes deixarem Câmara de SP

Caso estudantes não desocupem plenário da Casa voluntariamente, A Polícia Militar poderá retirá-los de lá, sem o emprego de armas, 'letais ou não'

O juiz Alberto Alonso Muñoz, da 13ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, determinou liminarmente nesta quinta-feira a reintegração de posse do plenário da Câmara Municipal paulistana, ocupado desde a tarde de ontem por cerca de setenta manifestantes – estudantes e militantes de movimentos sociais e de cultura apoiados por partidos como PT e PSOL. A decisão de Muñoz estipulou que os jovens devem deixar o espaço voluntariamente em até cinco dias e, caso não cumpram a ordem, sejam retirados pela Polícia Militar.

“Há ainda notícia de que a sessão foi transferida para outro recinto da Câmara Municipal, o que indica que os trabalhos não foram inteiramente paralisados. A ser assim, considerando o princípio da razoabilidade, fixo o prazo improrrogável de 5 (cinco) dias para a desocupação voluntária. Após o transcurso do prazo sem cumprimento da ordem, fica autorizada a manutenção/reintegração de posse”, escreveu o juiz na decisão liminar.

O magistrado determinou que a possível ação da PM deve ocorrer “sem emprego de armas, letais ou não, cuidando-se, em atenção ao primado da dignidade humana, do respeito à incolumidade física de ocupantes, e restringindo-se ao uso da força física corporal àquela exclusivamente necessária para a retirada dos ocupantes do recinto”. Ainda conforme a decisão de Alberto Alonso Muñoz, “na hipótese de haver adolescentes ou crianças, a ordem deverá ser cumprida com a presença do Conselho Tutelar”.

A Presidência da Câmara informou, por meio de nota, que recorrerá da decisão. “A Câmara discorda do prazo de cinco dias, pois entende que a ocupação prejudica o andamento dos trabalhos do Parlamento”, diz o comunicado.

No pedido de reintegração de posse, a Câmara alegou “turbação” pelos manifestantes e que eles estariam impedindo “o regular funcionamento do Legislativo Paulistano, com danos ao Município de São Paulo”. Ainda segundo a alegação da Casa, o painel eletrônico, essencial a votações de projetos, fica no plenário ocupado pelos manifestantes.

“Aqui não é camping, não é acampamento nem turismo. Isso é uma ocupação não autorizada. Eles podem ficar lá [no plenário], mas, se saírem para comer e ir ao banheiro, não voltam”, disse o presidente da Câmara, Milton Leite (DEM). Em troca da saída de menores de idade da ocupação, no entanto, Leite recuou e decidiu autorizar a entrada de água e comida e liberar o uso de banheiros pelos manifestantes.

Os estudantes que ocuparam a Câmara exigem a suspensão da tramitação dos projetos de lei 364, 367 e 404, que tratam da concessão e privatização de serviços e prédios públicos — como estádios, mercados, bibliotecas e cemitérios — e já passaram em primeira votação, para que a população seja consultada por meio de um plebiscito se concorda ou não com as propostas.

Além disso, reivindicam a revogação da medida implementada pela gestão Doria, em vigor desde 1º de agosto, que limitou o uso diário do passe livre para estudantes de escola pública.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Roberto Correa Lima

    APAGAVA A LUZ, DESLIGAVA AR-CONDICIONADO, VENTILADORES, SOLTAVA UMAS BOMBAS DE EFEITO MORAL. VAMOS VER COMO ESSES PETRALHAS IAM FICAR.

    Curtir

  2. Luiz Chevelle

    Essa brava rapaziada está perdendo aulas. Afinal são estudantes…

    Curtir

  3. Paulo Santos

    Por que não deu 5 anos ? Parece piada: vocês tem que sair, mas não tem pressa alguma.

    Curtir

  4. Se fosse acampamento em frente a mansão do juizecos manso, ele dava 5 minutos e mandava a polícia para cima.
    Mas como o sossego dele é de sua família sangue suga de numerosos auxílios de dezenas de milhares de reais, ele não está nem aí.

    Curtir