Governo nomeia general para presidência interina da Funai

Antecessor no cargo, o pastor Toninho Costa acusou 'ingerências políticas' da bancada ruralista ao ser exonerado na última sexta-feira

Depois de demitir o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), na semana passada, o governo federal definiu novas mudanças no órgão. A Funai é vinculada ao Ministério da Justiça, comandado pelo ministro Osmar Serraglio (PMDB).

As decisões foram publicadas na edição desta terça-feira do Diário Oficial da União. Para o lugar do ex-presidente Antônio Fernandes Toninho Costa, exonerado na sexta-feira, foi nomeado interinamente o general da reserva Franklimberg Ribeiro de Freitas. Ele já atuava na instituição, como diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável. O governo também dispensou Janice Queiroz de Oliveira da chefia da Diretoria de Administração e Gestão, substituindo-a por Francisco José Nunes Ferreira.

Em uma declaração à imprensa na sexta-feira, o pastor Toninho Costa, como é conhecido o ex-presidente da Funai, atribuiu sua demissão após três meses de trabalho a “ingerências políticas” da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), nome formal da chamada bancada ruralista, parlamentares ligados aos grandes produtores agrícolas. A FPA, que já se desentendeu com grupos indígenas por questões relativas às reservas indígenas, tinha entre seus membros Osmar Serraglio, quando este exercia mandato de deputado federal.

Na avaliação de Costa, há uma “incompetência do governo, que abandonou a Funai e as causas indígenas”. O ministro da Justiça reagiu e, por meio de nota, disse que “dada a extrema importância que o governo dá à questão indígena”, a Funai precisa de uma “atuação mais ágil e eficiente, o que não vinha acontecendo”.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. João Ferreira

    Nesta foto da matéria são índios ou vagabundos se passando por índios???????????
    Tá na hora de moralizar essa pouca vergonha na cara.

    Curtir

  2. Suprassumo Top

    Bem que poderia ter sido o General MOURÃO! Para o terror dos ‘missionários’…

    Curtir

  3. persianasflaci.blogspot.com

    Sera que agora vai colocar ondem no galinheiro ..

    Curtir

  4. Democrata Cristão (Liberdade de Expressão é meu direito CF 88 art 5 e art 220)

    Tomara que não seja um melancia, verde oliva por fora, e esquerda por dentro. Certa vez, vi, na rede, uma foto de uma manifestação de índios de uma tribo, e o mais estranho é que tinha índios mais loiros que um escandinavo, coisas da era Petista, né.

    Curtir

  5. Paulo Santos

    Os nomes, independente de serem militares ou advogados, devem ser de pessoas competentes e honestas. Com competência e honestidade podemos mudar o Brasil. Em apadrinhamentos afundá-lo ainda mais.

    Curtir

  6. Ataíde Jorge de Oliveira

    PROgRAmmA_D’íNDï@–GeNeRaLL
    PáRA : $öZiäLi$Mü$_CRi$TãO.psç

    Curtir

  7. José Antonio Debon

    O governo tem que acabar com a Funai e acabar com essas manifestações carnavalescas em Brasilia. Os estados e municípios que se virem para resolver esses assuntos indígenas.
    Brasilia deve transformar as reservas em municípios e os caciques em prefeitos e botar essa gente para trabalhar por seus beneficios.

    Curtir

  8. agora sim tem um HOMEM na presidência da FUNAI quem for índio será tratado como índio mais maconheiro será tratado como vagabundo.

    Curtir

  9. Adilson Nagamine

    Se os bolivarianos ambicionarem proclamar a República ianomani bolivariana vai encontrar oposição. Não faça do microondas uma arma. Adilson Nagamine

    Curtir