Funaro diz à PGR que ordem para calá-lo partiu de Temer

Doleiro e operador de propinas do PMDB, Lúcio Funaro apresenta cardápio de delação premiada ao Ministério Público

O acordo de colaboração premiada negociado por Eduardo Cunha com a Lava-Jato deve trazer de roldão outra delação, a do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, responsável pela execução de grande parte dos negócios orquestrados pelo ex-deputado. Nas últimas semanas, Funaro vem atualizando os tópicos de sua proposta. Um, em especial, é devastador para o presidente Michel Temer: segundo uma fonte da Procuradoria, ele confessa que recebeu da JBS para ficar calado, e afirma que os pagamentos foram feitos por ordem do presidente da República. A afirmação se encaixa à perfeição na narrativa dos donos do frigorífico e na linha de investigação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que denunciou Temer ao Supremo Tribunal Federal.

Leia esta reportagem na íntegra assinando o site de VEJA ou compre a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite também: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Temer! Pelo amor a nacao. Abrevie este martirio nacional. Peca renuncia e saia…

    Curtir

  2. José Antonio Debon

    Porque existem doleiros no Brasil? É uma profissão legal?

    Curtir

  3. Carlos Aurélio

    Bem, ele confirma o que outros disseram. Temer está acabado.

    Curtir