Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dívida, divórcio e delação em risco: o inferno de Fernando Baiano

Reportagem de VEJA narra as agruras do lobista que, endividado e ameaçado de voltar para a cadeia, corre ainda o risco de ficar sem os filhos 

O lobista Fernando Baiano foi preso em novembro de 2014, na etapa da Lava Jato conhecida como Operação Juízo Final, que mirou o braço empresarial do esquema de corrupção na estatal. Apontado como intermediador de propinas para ex-diretores da Petrobras e integrantes do PMDB, ele passou dez meses na cadeia antes de decidir contar o que sabe. Quando falou, confirmou ter feito pagamentos ilegais ao então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), num total de 4 milhões de reais em dinheiro vivo. Também contou ter participado pessoalmente de uma operação que levou 2 milhões de reais à primeira campanha de Dilma Rousseff à Presidência, em 2010. Em prisão domiciliar desde novembro do ano passado, o lobista vê agora ameaçados os benefícios de sua delação. E enfrenta um divórcio litigioso que pode lhe custar a convivência com os filhos. Das brigas com a ex-mulher à omissão que pode levá-lo de volta para a cadeia, reportagem de VEJA desce ao inferno de Fernando Baiano.

Graças a acordos de cooperação internacional, a força-tarefa da Operação Lava Jato descobriu que o lobista não contou tudo sobre sua participação em esquemas criminosos com empreiteiras do petrolão. Caberá agora, portanto, ao juiz Sergio Moro decidir se mantém os benefícios do acordo. O lobista foi condenado a 16 anos, 1 mês e 10 dias de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Ele ainda é réu em outro processo na Lava Jato. Por isso se esforça para provar o que disse aos investigadores – e assim cumprir apenas os 4 anos de cadeia acordados. A corrida se dá em meio à separação da mulher, Fátima Duarte. Ela quer a guarda dos filhos e os bens de Baiano – todos já confiscados para saldar a milionária dívida que ele tem com a Justiça.

Para ler a reportagem, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Pedro Dos Santos

    Resumindo a situação futura: durango, sem “parceiros de negocios”, fama de dedo duro é. ..corno.

    Curtir

  2. Roberto Negromonte Santos Negromonte

    Perdeu negão! Não sinto a mínima pena por você, sinto pelos brasileiros que um dia necessitaram de algum tipo de assistência e não tiveram, por conta da falta de dinheiro que roubaste.

    Curtir

  3. Todo castigo pra corno é pouco

    Curtir

  4. Marc Guima Olivei

    Quando ele entrou jogo, já conhecia as regras. Se continuou no jogo é porque estava ganhando. Agora, aceite o resultado final.

    Curtir

  5. Cláudio Moura

    Enquanto estão roubando está tudo bem, tudo é felicidade, alegria, quando são pegos, vem a depressão, o câncer, a doença cardíaca… Tudo mentira, orientada pelos advogados mercenários.

    Curtir

  6. Ataíde Jorge de Oliveira

    Todos os Homens São Iguais!
    — Dilma V. Tem Toda RAZãO.

    Curtir

  7. Gabriel Carneiro

    O inferno é a ausência de Deus e você pode experimentar essa desgraça terrível ainda aqui na terra!(mundo material)
    Confessa tudo antes que tu te lasque para sempre!

    Curtir

  8. francisco pape

    agora só está faltando um adenocarcinoma de reto !!!!

    Curtir

  9. Fernando Alves de Oliveira

    O inferno desse sujeito não é maior do que o do povo brasileiro, rapinado por todas as bandalheiras públicas dos últimos 12 anos@

    Curtir

  10. Fernando Alves de Oliveira

    E o povo brasileiro lá está interessado nas “atribulações” desse sujeito?

    Curtir