Dilma demite irmão do ministro Bezerra

Diário Oficial publicou nesta terça-feira a substituição de Clementino Coelho por Guilherme Almeida na presidência da Codevasf

O ministro da Integração, Fernando Bezerra, conseguiu se manter no cargo – ao menos por enquanto – graças à atuação de seu padrinho político, o governador de Pernambuco Eduardo Campos. A blindagem do Planalto em torno do ministro, porém, não se estendeu ao restante da família. O irmão de Bezerra, Clementino Coelho, acaba de ser demitido da presidência da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). A exoneração, assinada por Dilma Rousseff, foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira.

Bezerra entrou na berlinda depois de uma série de denúncias envolvendo a pasta – entre elas, o favorecimento de parentes em cargos e a liberação suspeita de emendas parlamentares. Segundo o Diário Oficial, Coelho será substituído no cargo por Guilherme Almeida.

Na sexta-feira, a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, divulgou uma nota em defesa de Bezerra. No texto, insinuou que o ministro não favoreceu o irmão, já que Clementino assumiu provisoriamente o cargo de presidente por ser o membro mais antigo da diretoria da Codevasf. A ministra disse ainda que o Bezerra havia encaminhado há cerca de 50 dias o pedido de nomeação de Guilherme Almeida para presidir o órgão.

Leia também:

Leia também: Dilma reforça blindagem a Bezerra, afundado em denúncias

Nepotismo – Nesta terça-feira, o jornal O Estado de S. Paulo informou que, em outubro do ano passado, o ministro nomeou o tio, o ex-deputado federal Osvaldo Coelho (DEM), membro do comitê técnico-consultivo para o desenvolvimento da agricultura irrigada, criado dias antes pela pasta. No último fim de semana, revelou-se que Bezerra utilizou verba pública para projetar o filho, o deputado Fernando Coelho Filho (PSB), em Petrolina, cidade onde o parlamentar deseja eleger-se prefeito neste ano.