Defesa de Temer contesta acusação em documento de 11 capítulos

O advogado do presidente deve entregar a defesa do peemedebista à Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) na tarde desta quarta-feira

Inexistência de provas de corrupção, ausência de conexão com a Lava Jato, falta de autenticidade do áudio da conversa do empresário Joesley Batista com Michel Temer, ilicitude de gravação ambiental no Palácio do Jaburu e um desafio explícito ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para provar em que circunstâncias o presidente teria recebido propinas da JBS, formam a linha central da argumentação da defesa do peemedebista a ser protocolada nesta quarta-feira na Câmara.

Entre as 15 e as 16 horas, o criminalista Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, advogado de Temer, deve entregar a defesa do peemedebista ao presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG).

É um documento de quase 100 páginas, dividido em 11 capítulos que buscam fulminar, ponto a ponto, a acusação formal da Procuradoria-Geral contra o presidente. Ao Supremo Tribunal Federal, Janot atribui a Temer o crime de corrupção passiva no caso JBS.

Mariz ataca inicialmente o “açodamento” dos investigadores. “Foi aberto um inquérito sem nem sequer haver verificação da gravação [da conversa de Joesley com o presidente]. Pediram inquérito e o ministro [Edson Fachin, relator do caso no STF] foi logo deferindo. Houve açodamento tanto do Ministério Público como do ministro que, sem maiores verificações e monocraticamente, autorizou a investigação”, questiona.

“Mostramos na defesa a inexistência de provas de corrupção passiva. A prova toda é baseada em gravação ilícita e contaminou todos os demais elementos. Mesmo que assim não fosse, considerando-se como correta, como em ordem a gravação, mesmo assim, não encontra nenhum elemento que comprometa o presidente da República”, sustenta Mariz.

Os argumentos da defesa serão levados a todos os parlamentares da CCJ. O relator da denúncia contra Temer, escolhido ontem, é o deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ).

O ponto central da defesa é um desafio explícito a Janot para que prove em que circunstâncias Temer teria recebido propina de Joesley. Para o procurador, a mala com 500.000 reais que o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) pegou de um executivo da JBS na noite de 28 de abril tinha como real destinatário o presidente.

Áudio

Outro ponto crucial, na avaliação de Mariz, é a “falta de autenticidade da gravação” da conversa do presidente com o empresário na noite de 7 de março no Jaburu. Para o advogado, o áudio foi editado – versão sustentada por Temer desde que o caso veio à tona, na Operação Patmos, deflagrada em 18 de maio. Segundo peritos da Polícia Federal, não houve edição ou adulteração do material.

Neste ponto, o documento divide-se em três itens, que abordam, respectivamente, o laudo do perito Ricardo Molina – contratado pela defesa –, “as posições de outros peritos” e o laudo do Instituto Nacional de Criminalística da PF.

No curso da Patmos, a JBS gravou reuniões do executivo Ricardo Saud com Loures em que foi acertado o pagamento de propinas do Grupo J&F. O ex-assessor de Temer é acusado de corrupção passiva na mesma denúncia que será analisada pela CCJ. Ele ficou preso durante 28 dias em Brasília. Agora ele está solto, sob monitoramento de tornozeleira eletrônica.

A defesa de Temer aponta ainda a “inadmissibilidade de aceitação de prova ilícita no processo penal”, referindo-se ao que chama de “gravação ambiental clandestina” – aqui incluída a gravação de Joesley no Jaburu, supostamente orientado por investigadores. Para Mariz, os métodos da Procuradoria caracterizam “violação às garantias da intimidade e da vida privada”.

Sobre a “ausência de conexão com a Lava Jato”, o criminalista anota que o ministro Fachin não poderia atuar como relator da Patmos, que mira no presidente. Mariz também faz considerações sobre a delação – expediente que ele condena, especialmente no caso de Joesley, que, em troca de perdão total, denunciou Temer.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Hoje as malas vão correr soltas dinheiro de corrupção!Falta caráter falta honra e moral são Sanguessugas sugando a vida a esperança de um Brasil melhor..Que País é esse?Que presidente e esse ? ate que ponto se venderam? Vão se vender por emendas,Cargos comissionados(Câmara )e vai infelizmente virar uma grande pizza, não vão autorizar o processo contra o “Temer” são politiqueiros que fazem Politicagem = política de interesses pessoais, de troca de favores, ou de realizações insignificantes.politiqueiros ? 2018 vem aí !!!

    Curtir

  2. Lago Gonçalves

    Durante quase 14 anos Lula,Dilma,PT cometeram todos os desmandos, abusos, corrupção, crimes, a maior ORCRIM que já chegou ao poder ficou absolutamente IMPUNE, sobretudo o chefe Lula, sem que MPF,PF,STF, OAB, etc, jamais tomassem qualquer iniciativa de incriminá-los.
    Usaram o patrimônio público para atender seus maiores e menores caprichos como se fossem seus, sobretudo Lula, até hoje, absolutamente impune e candidato com apoio total da mídia e esquerdas, MAIOR ABERRAÇÃO DA POLÍTICA PLANETÁRIA, incomPeTente,corruPTo,cínico, mau caráter ao extremo, além de uma ignorância monumental. Enquanto Lula não for preso tudo que acontece até aqui contribui para que esta quadrilha volte sob comando do marginal. #LulaNaCadeia #LulaNaCadeia
    Incriminar Temer pelas razões que JANOT/FACHIN apresentam, isto sim é GOLPE, e os verdadeiros GOLPISTAS E FASCISTAS PETRALHAS vão se fortalecendo enquanto corruptos menores tem sua vida destruida e fortalecendo os maiores bandidos que já chegaram ao poder. #LulaNaCadeia

    Curtir

  3. Martinho Franco

    Tá explicado a intensa ida do Gilmar no Jaburu.

    Curtir

  4. E o Lula?Janot puxa -saco do PT.

    Curtir

  5. Em qualquer país civilizado do mundo esse Sr. já teria sido defenestrado. Mas aqui é o Brasil. Que nojo eu tenho desses políticos!!!!!!!

    Curtir