Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Datafolha: Dilma atinge 71% de rejeição e supera Collor

Presidente passa a ser a mais impopular desde o início das pesquisas do instituto, em 1990. Apenas 8% dos entrevistados consideram o governo da petista bom ou ótimo

A presidente Dilma Rousseff atingiu 71% de reprovação na última pesquisa Datafolha, publicada nesta quinta-feira no jornal Folha de S. Paulo, e bateu um recorde histórico do instituto. O índice representa a mais alta rejeição a um presidente desde que o Datafolha começou a série de pesquisas, em 1990. O recordista anterior era Fernando Collor, reprovado por 68% dos brasileiros em setembro de 1992, nas vésperas do impeachment. O Datafolha apontou ainda que apenas 8% dos entrevistados aprovam o governo Dilma – Collor tinha 9% de aprovação.

LEIA TAMBÉM:

Vice Michel Temer admite que ‘a situação é grave’

Na volta do recesso, PTB e PDT deixam a base aliada

No levantamento anterior do instituto, realizado no meio de junho, o governo Dilma era considerado ruim ou péssimo por 65% dos entrevistados, enquanto 10% avaliavam a gestão da petista como boa ou ótima.

Segundo o Datafolha, a presidente é impopular em todas as regiões do país. O Centro-Oeste apresenta a maior taxa de reprovação, com 77%, mas mesmo no Nordeste, que costuma ser um reduto eleitoral petista, Dilma tem números ruins: na região, ela é rejeitada por 66% e aprovada por 10%.

Impeachment – Em outro índice preocupante para o governo, 66% dos entrevistados declararam ser a favor da abertura de um processo de impeachment contra a presidente. Na última pesquisa que perguntou sobre o tema, em abril, a taxa era de 63%. O índice dos que são contra o impeachment caiu 5 pontos no mesmo período, de 33% para 28%. Também cresceu o número dos que acreditam que Dilma será realmente afastada do cargo: de 29% para 38%.

O Datafolha perguntou ainda qual o melhor sistema de governo para o Brasil. O presidencialismo segue sendo apoiado pela maioria, com 53%. Outros 28% defendem um regime parlamentarista, enquanto 19% dizem não saber.

O instituto entrevistou 3.358 pessoas em 201 municípios na terça e na quarta-feira. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

(Da redação)