Caso Vargas: defesa segue enrolando Conselho de Ética

Sem conseguir negar a estreita relação do ex-petista André Vargas com o doleiro Alberto Youssef, pivô de um esquema de lavagem de dinheiro, a defesa do deputado paraense escalou nesta terça-feira um prefeito petista para prestar depoimento ao Conselho de Ética. Carlos Alberto Preto, de Apucarana (PR), reduto eleitoral de Vargas, foi chamado pelos advogados para protelar o desfecho do caso. Iniciado há quase três meses, o processo contra Vargas avança lentamente graças a diversas manobras de deputados aliados e da defesa. O objetivo é empurrar o caso, que pode terminar em um processo de cassação, para depois das eleições e evitar danos ao projeto eleitoral de nomes petistas ligados a Vargas, como a candidata ao governo paranaense, Gleisi Hoffmann, e o candidato ao governo de São Paulo, Alexandre Padilha. “Vargas saiu do PT, mas o PT não saiu dele. O partido está trabalhando para não vincular seu desgaste com as eleições”, disse o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), relator do processo. (Marcela Mattos, de Brasília)