Câmara resiste à proposta que reduz número de partidos

Deputados dizem que para aprovar a medida vão promover mudanças significativas no texto

A reforma política aprovada em primeiro turno no Senado terá dificuldades para avançar quando chegar à Câmara. Parte da Casa rechaça a proposta e já articula para engavetá-la. Deputados dizem que para aprovar a medida vão promover mudanças significativas no texto. O principal ponto de insatisfação é a cláusula de barreira, que, na prática, pretende limitar o número de partidos no País.

Atualmente, são 35 legendas – 28 com representação no Congresso. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) aprovada pelos senadores nesta quarta-feira, em comparação com os resultados das eleições de 2014, reduziria a apenas 16 o número de partidos hoje. No Tribunal Superior Eleitoral (TSE), estão em processo de criação mais 29 siglas.

Deputados afirmam que a proposta vai limitar a representatividade, em especial a dos partidos pequenos, e reclamam que grandes legendas culpam os “nanicos” pela dificuldade em se obter a estabilidade política. “As mazelas da política não estão localizadas nos partidos pequenos. É falsa a ideia de que os pequenos dificultam a governabilidade”, disse o líder do PCdoB na Câmara, Daniel Almeida (BA).

A legenda, com 11 deputados, vai trabalhar para barrar a reforma. Na avaliação de Almeida, a proposta cria deputados “de segunda e terceira categorias”. O PCdoB não estará sozinho. O PT, que originalmente era a favor da cláusula de barreira e do fim das coligações, já admite rever sua posição. “Na bancada é muito forte o respeito ao PCdoB, à Rede e ao PSOL. Isso vai ser rediscutido porque a mudança do cenário é muito brusca”, afirmou o líder Afonso Florence (BA).

LEIA TAMBÉM:
Câmara rejeita proposta de retirar PEC do Gasto Público da pauta
Mirando os juízes, Renan instala comissão contra ‘supersalários’

Propostas

Entre as alterações “bruscas”, como afirmou Florence, está a exigência de os partidos conseguir ao menos 2% dos votos válidos em 14 unidades da Federação em 2018. Se não atingir o desempenho, as siglas não poderão ter assento no Congresso nem acesso ao Fundo Partidário e ao tempo de rádio e TV. A PEC ainda prevê o fim das coligações proporcionais e permite a união das legendas em federações.

Com 58 deputados em sua bancada, Florence disse que será difícil a aprovação da PEC na Câmara do jeito que está. O líder do PROS, Ronaldo Fonseca (DF), endossou a crítica do petista: “Sabe quando vai passar na Câmara? Só no próximo século”. Com seis deputados na bancada, Fonseca destacou que a cláusula de barreira já foi considerada inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e afirmou que a reforma aprovada no Senado é “piada”.

Parlamentares se queixam da origem da proposta e alegam que o correto seria a Câmara enviá-la aos senadores. A preocupação na Casa é que as medidas aprovadas atingem diretamente a eleição de deputados, por ser disputa proporcional. “Nenhuma regra os atinge. Então, não dá para agradar aos senhores senadores”, afirmou o líder do PTB, Jovair Arantes (GO). A legenda tem 18 deputados.

Mudanças

Parte das siglas aceita discutir a PEC na Câmara, mas já avisa que serão feitos ajustes. “A gente vai trabalhar para aprovar mudanças, mas elas não podem acontecer da noite para o dia”, afirmou o líder do PRB, Márcio Marinho (BA). Da forma como foi aprovada, considerou o deputado, os pequenos e médios partidos “sucumbirão”.

Segundo Marinho, o PRB, com 22 deputados, vai recomendar alterações na cláusula de barreira e no tempo de aplicação da regra, para que os partidos se organizem. A Rede, com quatro deputados, vai reunir a direção do partido para discutir propostas de alterações na reforma política.

Durante as discussões no plenário do Senado anteontem, o próprio autor da proposta, o presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), já admitira que o texto poderia ser alterado.

Presidentes de outros partidos também reconhecem a atuação dos deputados na matéria aprovada pelos senadores. “Não vejo problema na proposta, mas ela vai mexer com todo o sistema eleitoral. Deverá haver algumas mudanças, acho que com relação ao fim das coligações. Já no caso da cláusula de barreira é mais fácil, existirão federações”, afirmou o presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN). A sigla tem 28 deputados.

LEIA MAIS:
Renan quer pautar fim da reeleição ainda neste ano

Antônio Carlos Rodrigues, presidente do PR, disse que o partido ainda não discutiu a reforma política. “Acredito que o projeto do Senado avance, mas sofrerá grandes alterações pela Câmara”, afirmou. O PR é representado por 42 deputados na Casa. A PEC deverá ser votada em segundo turno no Senado no dia 23 deste mês e só depois seguirá para a Câmara.

A PROPOSTA

Cláusula de barreira ou de desempenho: Limita o acesso às verbas do Fundo Partidário e tempo de rádio e TV para partidos que não atingirem o mínimo de votos. A partir de 2018, a cláusula será aplicada aos partidos que não atingirem pelo menos 2% dos votos válidos do País nas eleições para a Câmara, distribuídos em ao menos 14 unidades da Federação, com um mínimo de 2% dos votos válidos em cada um. A partir das eleições de 2022, o mínimo passa a ser de 3% dos votos;

Fim de coligações partidárias: São extintas as alianças entre partidos para as eleições a partir de 2020. É válida para as eleições proporcionais de vereadores e deputados. Assim, um candidato com elevado número de votos deixaria de eleger os candidatos da coligação que não obtiveram número significativo de votos;

Federação partidária: Os partidos poderão se unir para formar federações e ter atuação parlamentar.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Alcivando Lucio

    Por causa do famigerado fundo partidário temos 35 partidos e mais 30 na fila para serem oficializados. Temos, o povo, que reagir, sair para a rua e acabar com esta corja de pilantras lá de Brasília.

    Curtir

  2. Cesar8002UTB

    Obviamente esses partidos vagabundos de aluguel são contra. Partidos prostituta é o que são.

    Curtir

  3. Político corrupto bom é político morto. Os políticos corruptos que infestam a administração pública terão que ser defenestrados pela população se as instituições tardarem a fazer a limpa. Temos que eliminar a praga e esses parasitas que estão prejudicando o bom funcionamento das instituições e a boa gestão pública. Vamos que ter que caçar esses vigaristas um por um na base da força bruta se insistirem a não largar o osso. Infelizmente não estou vendo outra saída que a violência como aconteceu na Tunisia e Líbia….

    Curtir

  4. RUBENS LOPES SOUZA

    se formos esperar que os políticos façam mudanças que cortem privilégios deles próprios, jamais teremos reformas políticas no Brasil.

    Curtir

  5. Porque num momento tão conturbado, em que a velha política fracassou completamente pela incompetencia e corrupção, existe tanta gente querendo entrar ? Mesmo com tudo isso parece compensar muito ……..!!

    Curtir

  6. Acabar com a verba partidária seria a primeira providencia. A cláusula de barreira precisa ser mantida porque atualmente partidos são criados exclusivamente para aluguel, barganha e verba partidária.

    Curtir