Cabral recebeu R$ 122,8 milhões de empresas de ônibus

Segundo MPF, ex-governador do Rio era 'líder da organização' e comandava o esquema criminoso no sistema de transporte público do estado

As investigações do Ministério Público Federal (MPF), que levaram à deflagração da Operação Ponto Final, revelaram que o ex-governador do Rio Sergio Cabral (PMDB) recebeu 122,8 milhões de reais em propinas de empresas de ônibus entre os anos de 2010 e 2016. Ele deixou o cargo, em favor de seu vice, Luiz Fernando Pezão (PMDB), em 2014.

O esquema alcançou cerca de 260 milhões de reais, pagos a políticos e agentes públicos. Três pessoas foram presas entre ontem e hoje: o empresário Jacob Barata Filho, herdeiro do “rei do ônibus”, o presidente da Federação das Empresas de Transportes do Estado (Fetranspor), Lélis Teixeira, e o ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), que fiscaliza o setor, Rogério Onofre. Segundo o MPF, “os pagamentos de propinas foram feitos nos moldes dos realizados pelas empreiteiras, só que dessa vez no setor de transporte público com o objetivo de garantir tarifas e contratos com o Governo do Estado do Rio”.

Rogério Onofre, então à frente do Detro, recebeu 44 milhões de reais em propinas pagas pelas empresas de ônibus, diz o Ministério Público, sendo que os valores eram pagos nas próprias sedes das transportadoras. Para os procuradores, o esquema se dividia em quatro núcleos: o econômico, formado pelas empresas organizadas em cartel; o operacional, com a responsabilidade de fazer a lavagem de dinheiro; o administrativo, composto por gestores públicos do estado; e o político, integrado “pelo líder da organização Sergio Cabral”. A Operação Ponto Final decorre as investigações das operações Calicute e Eficiência.

A PF se baseou em delações premiadas do doleiro Álvaro Novis e do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Jonas Lopes, alvos de operações anteriores. A ação desta segunda-feira envolveu oitenta agentes para cumprir nove mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária e trinta de busca e apreensão, expedidos pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.

Barata Filho foi preso no aeroporto internacional Tom Jobim, prestes a embarcar para Lisboa. Ele divulgou nota, através de sua assessoria de imprensa, informando que tem negócios na cidade e que viaja para lá regularmente. A PF já estava com sua prisão na mira e a antecipou quando soube da viagem. A Fetranspor reúne 10 sindicatos de empresas de ônibus que atuam no Estado. O Detro é responsável pela fiscalização dos transportes intermunicipais no Estado.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Marcyo Frankfurt

    Aonde vamos para a tanta roubalheira nesse país

    Curtir