Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Bendine: oposição fala em improviso. Nem o PT esperava

Opção caseira de Dilma Rousseff pelo presidente do Banco do Brasil surpreendeu a oposição, o mercado financeiro e até dirigentes do PT

A escolha de Aldemir Bendine, o enrolado presidente do Banco do Brasil, para comandar a Petrobras em meio a sua maior crise causou perplexidade até mesmo a petistas, reunidos nesta sexta-feira em Belo Horizonte para a reunião do Diretório Nacional do partido. O mercado financeiro reagiu imediatamente – e mal: as ações da estatal desabaram. E a oposição verbalizou o que a esta altura parece óbvio: foi uma saída caseira diante da dificuldade da presidente Dilma Rousseff em encontrar alguém disposto a aceitar a árdua tarefa. Mais: a nomeação também indica que o Palácio do Planalto pretende blindar a estatal enquanto a Polícia Federal ainda tenta dimensionar o tamanho do assalto aos cofres da empresa para pagar propina a partidos e políticos governistas.

Perfil: Bendine, um fiel escudeiro do PT

Mercado: Ações despencam com Bendine

Diretoria: Novo presidente assumirá com interinos

Radar: Bendine é sinal de fracasso do governo

VEJA Mercados: O que é isso, companheira?

EUA: Centenas aderem a ações contra a Petrobras

Em Minas, dirigentes do PT que chegavam para o encontro da sigla foram surpreendidos com a notícia. O novo líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), não disfarçou o incômodo: “Nossa torcida é que ele comande bem a Petrobras e siga a sua trajetória à frente de mais uma empresa pública”.

A oposição não poupou críticas. “Não tendo conseguido alguém de fora do governo que se dispusesse a ser sócio do maior escândalo de corrupção da história contemporânea do país, restou à presidente buscar dentro do próprio governo o novo presidente da Petrobras”, afirmou o senador mineiro Aécio Neves, presidente do PSDB.

“Só pode ser piada, é mais uma indicação política. Parece que o propósito do governo é muito mais colocar alguém de confiança para segurar a onda do petrolão do que recuperar a Petrobras. É uma decisão improvisada para um problema seríssimo que o Brasil enfrenta”, afirmou o líder do DEM na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE).

O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), também criticou a escolha e lembrou que Bendine é investigado pelo Ministério Público: “Ele não tem conhecimento de um setor extremamente complexo e não possui estofo para levar a Petrobras a um patamar de credibilidade que ela necessita neste momento. Não podemos dizer que é um currículo que o recomende para assumir uma empresa da grandeza da Petrobras. Esse senhor esperava a demissão e foi presenteado com a presidência da Petrobras. O governo ri na cara da sociedade”.​

“Nomes respeitáveis foram cogitados, mas a situação da Petrobras está tão crítica que tiveram de buscar uma solução caseira. Imagino que os grandes e respeitados empresários não quiseram se envolver nesse mar de lama. As pessoas respeitáveis querem distância desse governo”, afirmou o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP).