Aécio culpa governo por ‘campanha de mais baixo nível’

Em Goiânia, candidato tucano ressaltou que das últimas 22 inserções do PT no rádio e na televisão, dezenove foram dedicadas para atacá-lo

Na reta final de uma eleição marcada por calúnias e difamações, o candidato à presidência pelo PSDB, Aécio Neves, resumiu nesta terça-feira os três meses da corrida eleitoral: “Essa campanha vai passar para a história como a de mais baixo nível pela ação do governo”, afirmou em entrevista coletiva em Goiânia, minutos antes de participar de um megaevento ao lado do candidato ao governo Marconi Perillo (PSDB).

Leia também:

Aécio, sobre pesquisas: ‘O Brasil saberá responder nas urnas’

O candidato ao Palácio do Planalto ressaltou que das últimas 22 inserções do PT no rádio e na televisão, dezenove foram dedicadas para atacá-lo. Embora a equipe do tucano tenha definido como estratégia final evitar entrar no fogo cruzado e priorizar pela apresentação de propostas, Aécio disse que não deixará “nenhum ataque sem resposta”. “Temos de dizer não às infâmias, às calúnias e às mentiras que, por desespero, nossos adversários lançam sobre nós. A cada mentira, vamos responder com dez verdades para eles que não merecem mais a confiança dos brasileiros”, disse.

Enquanto isso, no Recife, a presidente-candidata Dilma Rousseff, acompanhada pelo ex-presidente Lula, voltou a disparar contra Aécio. Nas palavras da petista, os tucanos vestiram “pele de cordeiro” e só trabalham para “favorecer a eles mesmos”. Lula foi além: comparou os tucanos aos nazistas.

Goiânia – Após agenda em Campo Grande (MS) na tarde desta terça, Aécio fez em Goiânia uma última parada antes de seguir para o Sudeste,onde esteve na maior parte da campanha – e onde planeja encerrá-la. Apesar do eleitorado pequeno de Goiás, cujos 4,3 milhões de eleitores representam apenas 3% dos votantes do país, Aécio tenta aproveitar a candidatura de Perillo, líder nas pesquisas contra o ex-governador Iris Rezende (PDMB), e mostrar a força do partido em locais com candidatura própria no segundo turno.

A cinco dias das eleições, a estratégia, de acordo com a campanha tucana, é conquistar votos nas regiões Sul e Sudeste, onde os eleitores são avaliados como “voláteis”- a coordenação considera que nessas regiões há maior chance de conquistar o apoio do que no Nordeste, onde Dilma conseguiu ampla maioria dos votos.

Na Praça Cívica de Goiânia, local que abriga a sede do governo estadual e é tradicionalmente palco de eventos políticos, a campanha do tucano realizou um megaevento, com direito a fogos de artifícios, cascata de fogos, um grupo de batucada e drones equipados com câmeras que faziam gravações aéreas. De acordo com estimativa da Polícia Militar, o ato reuniu cerca de 20.000 pessoas.

Com a voz rouca, Aécio conclamou os militantes para encerrar o ciclo “da corrupção, do desgoverno, da irresponsabilidade, da infâmia e da mentira”. “Vim aqui com a coragem e a determinação para encerrar esse ciclo perverso de governo do PT que os brasileiros não merecem mais viver”, afirmou. “É por isso que peço a cada um que aqui está que nesses cinco dias que nos distanciam e nos separaram da grande libertação que sejam a minha voz rouca e a minha coragem para que nós possamos libertar o Brasil”, disse.

Ao lado de Aécio, o governador e candidato à reeleição Marconi Perillo lembrou Tancredo Neves e pediu votos para o tucano: “O Brasil vive hoje um momento esplendoroso. Há muitos anos uma disputa eleitoral não carrega tantas possibilidades de transformação e de mudanças. Eu estou seguro de que juntos estamos chegando aqui e haveremos de administrar o Goiás e o Brasil”, disse.