Times históricos: Flamengo de 1981

Foram três títulos em 20 dias

Talvez o melhor time do Flamengo de todos os tempos. Muito provavelmente um dos maiores que jogaram no futebol brasileiro. Mas, mais do que isso, esse foi o time que conquistou o mais importante título da história do Flamengo e que iniciou a era vitoriosa do time carioca, que venceu tudo, um ano depois de conquistar o Brasileiro.

Com a conquista do Brasileiro de 1980, o time jogaria a Libertadores de 1981. No elenco, só jogadores de peso, muita qualidade, que seria parte ou até mesmo base da seleção brasileira de 1982, que encantou o mundo todo.

No gol, o Flamengo tinha Raul, já experiente após passagem de sucesso pelo Cruzeiro e na meta flamenguista desde 1978. Na lateral direita vinha Leandro, com muita qualidade e muita força na marcação. Junto com Carlos Alberto Torres é, talvez, o maior lateral direito que passou pelo futebol brasileiro.

Na zaga, Marinho e Mozer davam muita segurança e qualidade ao time. Marinho vinha com a raça, enquanto Mozer com uma técnica invejável, com habilidade e precisão nos passes. Já na lateral esquerda, um técnico e ofensivo Júnior, que tinha habilidade, que o levou a ser meia no final de sua carreira.

Júnior contra o Atlético-MG, pela Libertadores – J. B. SCALCO

Com volante, segurando o piano, mas sem ser burucutu, estava Andrade, que ainda saia bem para o jogo, para fazer a ligação com um meio de campo invejável. Na meia, estavam os maiores craques desse time já recheado deles. Adílio era habilidoso e com bom drible, além de fôlego e força acima da média. Contudo, seu companheiro era ninguém mais que Zico, grande craque do time. Exímio cobrador de faltas, técnico e habilidoso, era o típico camisa 10, que seria na Copa do Mundo de 1982.

Na frente, Lico e Tita eram os pontas de extrema qualidade, especialmente Tita, que foi deslocado para a posição por conta de Zico. Ou seja, perdeu sua posição, mas não um lugar no time. Por fim, como centroavante, estava Nunes, o matador da equipe, conhecido como “Artilheiro das Decisões”, por marcar sem gols em jogos decisivos.

Zico, craque do time, na final contra o Cobreloa, no Chile – RODOLPHO MACHADO

Os comandantes daquele time foram dois. No começo do ano de 1981, Claudio Coutinho, que montou esse esquadrão, foi o treinador. Antes da Libertadores, deixou a equipe por desentendimento com a diretoria do clube. Morreu no fim daquele ano, ao realizar um mergulho próximo do Rio. Modesto Bría e Dino Sani foram os interinos, até a chegada de Paulo César Carpegiani, ex-jogador do clube, que encerrara sua carreira no ano anterior, com o título brasileiro, por problemas no joelho. Em seu primeiro trabalho, deu o Carioca, a Libertadores e o Mundial ao Flamengo, logo no primeiro ano. Venceria ainda o Brasileiro no ano seguinte.

Em janeiro, após alguns amistosos, o Flamengo iniciou a disputa do Campeonato Brasileiro. Em um desses jogos, fez 8 x 0 no Fortaleza, no Maracanã, com cinco gols de Nunes. Ao final da primeira fase, em nove jogos, venceu cinco, empatou três e perdeu uma (0 x 3 para o Paysandu, em Belém), classificando-se em segundo no grupo D, com dez equipes, atrás apenas do Santos.

Time no segundo jogo da final da Libertadores – Leandro, Raul, Mozer, Figueiredo, Andrade e Júnior; Lico, Adílio, Nunes, Zico e Tita – RODOLPHO MACHADO

Na segunda fase, caiu em um grupo duro, com Atlético-MG, Colorado-PR e Uberaba-MG. Com três vitórias, dois empates e uma derrota, com nove gols pró e nove contra, passou em primeiro, um ponto à frente do Atlético-MG, classificando-se para as oitavas de final. A derrota foi um 0 x 4 para o Colorado no Couto Pereira.Nas oitavas de final, o rival seria o Bahia. Após empate sem gols na Fonte Nova, o Flamengo derrotou o rival por 2 x 0 no Maracanã, com dois gols de Nunes.

Nunes comemora gol contra o Liverpool, na final em Tóquio – MARCELO REZENDE

Nas quartas, o adversário seria o grande rival, Botafogo. No primeiro jogo, ficou no 0 x 0 no Maracanã. Na partida de volta, foi derrotado pelo rival por 1 x 3 e eliminado do torneio.

Nesse começo de ano, o time ainda tinha o grande zagueiro Luis Pereira, ex-Palmeiras, após retornar do Atlético de Madri-ESP. 

A partir daí, vieram amistosos que iriam preparar o time para os torneios que viriam: Carioca e Libertadores.

Marinho, zagueiro do Flamengo em 1981 – IGNACIO FERREIRA

O primeiro torneio foi o Campeonato Carioca. Na Taça Guanabara, o primeiro turno, em 12 equipes, o Flamengo venceu sete, empatou três e perdeu apenas uma das onze partidas. Com 26 gols, teve disparado o melhor ataque, com goleada de 7 x 0 sobre o Americano, novamente com três gols de Nunes.

Em torneio amistoso na cidade de Nápoles neste período, goleadas de 5 x 1 sobre o Avellino e 5 x 0 sobre o Napoli.

Ainda no fim do Carioca, o time estreou na Libertadores contra o Atlético-MG, com empate em 2 x 2 no Mineirão, com gols de Nunes e Marinho. 

Mozer em jogo contra o Cerro Porteño-PAR – Revista Placar

Entre o fim do primeiro e início do segundo turno do Carioca, o time estreou em casa na Libertadores com goleada de 5 x 2 sobre o Cerro Porteño-PAR, no Maracanã, com dois de Zico, dois de Nunes e um de Baroninho.

Flamengo campeão da Taça Guanabara de 1981 – Carlos Alberto, Raul, Rondinelli, Figueiredo, Leandro, Mozer, Marinho, Júnior e Cantarele; Peu, Anselmo, Tita, Adílio, Ronaldo Marques, Zico e Baroninho – RODOLPHO MACHADO

No segundo turno do Carioca, o Fla repetiu a campanha do primeiro. Sete vitórias, três empates e uma derrota. Contudo, dessa vez, ficou atrás do Vasco que venceu e empatou uma a mais, conquistando a Taça Ney Cidade Palmeiro.

Já na Libertadores, o Flamengo empatou com o Olimpia-PAR no Maracanã por 1 x 1, empatou com o Atlético-MG, também no Maracanã, por 2 x 2, gols de Nunes e Tita, e venceu Cerro Porteño, no Paraguai, por 4 x 2, com três de Zico e empatou sem gols com o Atlético-MG.

Jogo contra o Olimpia, no Maracanã – IGNACIO FERREIRA

O resultado deixou Flamengo e Galo empatados em primeiro lugar na chave, com oito pontos. A decisão seria em um jogo-extra, no Serra Dourada. Mas controversa atuação de José Roberto Wright, o jogo foi encerrado aos 37 do primeiro tempo, com três expulsões pelo lado do Atlético-MG, além de duas lesões, deixando o clube sem o número mínimo de jogadores para a partida.

Tudo isso aconteceu enquanto o segundo turno do Carioca ainda era jogado. Entre o fim do segundo turno e início do terceiro, o Flamengo estreou na fase semifinal contra o Deportivo Cal-COL, em Cali, vencendo por 1 x 0, com gol de Nunes.

O polêmico jogo do Flamengo contra o Atlético-MG, em Goiânia – AUREMAR DE CASTRO

No terceiro turno (a Taça Sylvio Corrêa Pacheco), o Flamengo foi campeão sem ter que jogar a última partida. Em dez jogos, foram oito vitórias e dois empates, com 34 gols pró e cinco contra. O jogo final, contra o vice-campeão Vasco, não aconteceu pois ambos decidiriam a finalíssima do torneio. Foi nesse terceiro turno que o Flamengo fez a histórica goleada de 6 x 0 no Botafogo, devolvendo o placar de 1972. Apoiados pela torcida, que queria a goleada, Zico (2), Nunes, Adílio, Lico e Andrade fizeram os gols naquele histórico 8 de novembro.

Mas antes da decisão, o clube ainda estava na Libertadores. Na segunda partida semifinal, contra o Jorge Wilstermann, em Cochabamba, vitória dos cariocas por 2 x 1, gols de Baroninho e Adílio.

Nunca, Adílio e Júnior, alguns dos craques do Flamengo de 1981 – IGNACIO FERREIRA

Em casa, o Fla chegou à final com 100% de aproveitamento. 3 x 0 no Deportivo Cali, no Maracanã, com gols de Zico (2) e Chiquinho; e 4 x 1 no Jorge Wilstermann, no mesmo estádio, com gols de Nunes, Adílio, Anselmo e Chiquinho.

Ainda durante a disputa do terceiro turno, o Flamengo jogou a primeira partida da final da Libertadores, no Maracanã, contra o Cobreloa-CHI, com vitória por 2 x 1, com dois gols de Zico.

Zico foi o herói no Maracanã, contra o Cobreloa – RICARDO CHAVES

Ainda durante a disputa do terceiro turno, aconteceram os jogos dois e três. No segundo jogo, derrota por 0 x 1 em Santiago-CHI. Na partida desempate, em Montevidéu-URU, o Flamengo venceu por 2 x 0, com dois gols de Zico.

Leandro, Zico e Júnior, entrando com a bandeira do Uruguai no 3° jogo da final da Libertadores – RODOLPHO MACHADO

Seis dias após a final da Libertadores, o clube começava a decidir o título carioca. Na partida de ida, no Maracanã, derrota para o Vasco por 0 x 2, com dois de Roberto Dinamite. No jogo dois, novamente no Maracanã, vitória do Vasco por 1 x 0, novamente gol de Dinamite. Contudo, as regras daquele ano previam que o Vasco, para ser campeão, deveria vencer as três partidas seguidas contra o Flamengo para ser campeão. O Fla, por ser campeão de dois dos três turnos, precisava vencer apenas uma. No terceiro jogo, Adílio e Nunes fizeram 2 x 0 no primeiro tempo. Ticão descontou no fim, mas o título foi para o Fla.

Final do Carioca de 1981, contra o Vasco de Dinamite – RODOLPHO MACHADO

Restava apenas um jogo, no dia 13 de dezembro, 20 dias após o título da Libertadores e sete dias após o título carioca. O rival seria o Liverpool, que não viu a cor da bola e, em Tóquio, foi derrotado por 3 x 0, com gols de Nunes (2) e Adílio.

Nunes e Júnior comemoram o título mundial contra o Liverpool – MARCELO REZENDE

Assim, em um espaço de 20 dias, o Flamengo conquistou três título naquele ano de 1981, que ficou na história dos torcedores.

FLAMENGO CAMPEÃO CARIOCA DE 1981 – Em pé: Raul, Mozer, Marinho, Nei Dias, Júnior e Andrade; Agachados: Lico, Leandro, Nunes, Zico e Adílio – Revista Placar