Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Saiba por que a campanha da Síria nas Eliminatórias já é heroica

Abalada por uma sangrenta guerra civil, 80ª colocada do ranking da Fifa mandou seus jogos fora do país e ainda sonha com vaga na Copa da Rússia

A seleção de futebol da Síria conseguiu um feito espetacular nesta terça-feira. O time esteve perto de se classificar diretamente para a Copa do Mundo de 2018 nesta terça-feira e, com um gol aos 47 minutos do segundo tempo diante do Irã, conseguiu uma honrosa vaga na repescagem asiática, na qual enfrentará a Austrália. O vencedor disputará contra o quarto colocado da Concacaf uma vaga no Mundial da Rússia. O resultado já seria relevante por se tratar apenas da 80ª colocada do ranking da Fifa, e que jamais disputou uma Copa. No entanto, fatos que extrapolam o cenário esportivo fazem destes jogadores sírios verdadeiros heróis nacionais.

Guerra civil

Desde 2011, quando a Primavera Árabe tentou depor o presidente Bashar al-Assad, o país está dividido, vivendo uma Guerra civil, com participação direta do grupo terrorista Estado Islâmico. Mais 320.000 pessoas já morreram e milhões fugiram do país e vivem refugiados.

Mandante longe da Síria

Por causa da guerra, a equipe mandou todos os seus jogos fora da Síria. O último jogo da seleção no país aconteceu em 22 de dezembro de 2010, em derrota de 1 a 0 para o Iraque na capital Damasco, pouco antes do começo do conflito no país. Nestas Eliminatórias, a Síria fez quatro jogos da segunda fase no Omã e os cinco jogos na terceira fase na Malásia. Mesmo assim, em nove jogos, venceu cinco, empatou três empates e perdeu apenas uma, para o Japão, ainda em 2015.

Campanha histórica

Essa foi a 15ª vez que o time disputou as Eliminatórias e foi apenas a segunda vez que chegou tão longe. Após perder a vaga para a Copa de 1950 para a Turquia, foi eliminada na primeira fase das qualificatórias para 1958, 1974, 1978, 1982, 1990, 1994, 1998 e 2002.

Em 2006, iniciou a disputa já na segunda fase, mas não avançou. Em 2010, passou da primeira e segunda fase. Na terceira, de grupos, não se classificou por ter saldo de gols pior que os Emirados Árabes Unidos. Nas últimas Eliminatórias iniciou a disputa na segunda fase, mas por ter escalado um jogador irregular, foi eliminada pelo Tadjiquistão.

A única vez em que se aproximou da Copa foi nas Eliminatórias de 1986, após passar pela primeira e segunda fase, mas perder a vaga para o Iraque, na terceira e última.

Empate nos acréscimos

Invicto nas Eliminatórias asiáticas, o Irã foi a segunda seleção a se classificar pelas Eliminatórias (depois do Brasil) e até esse décimo jogo da terceira fase não tinha sofrido gols. Mesmo na capital Teerã, sofreu dois gols da Síria, que com o empate aos 47 minutos do segundo tempo garantiu o direito de disputar a repescagem.