Que rei sou eu? Falcão conta como se tornou um mito em Roma

Na edição de julho da Revista PLACAR, Paulo Roberto Falcão revela detalhes de sua passagem vitoriosa pela equipe italiana

Na edição de julho da Revista PLACAR, Paulo Roberto Falcão conta como se tornou o “Rei de Roma”, ídolo máximo da torcida giallorossa na década de 80. Em longo depoimento, o ex-craque do Inter e da seleção brasileira revela como chegou a proposta do futebol italiano, a expectativa de sua ida e outros detalhes de sua experiência europeia.

A revista chega às bancas de todo o país nesta semana. Confira, abaixo, um trecho do depoimento:

Depois, numa conversa só com os correspondentes brasileiros, o Araújo Neto, que trabalhava para o Jornal do Brasil e que se tornou meu amigo, comentou:
– Foste bem na entrevista, menos na hora em que prometeste o título. A Roma não tem essa bola. Apostei um churrasco com ele que em três anos botaria o peito numa faixa de campeão. Ele pagou com muito prazer. Grande figura. 

No dia seguinte, fui encontrar o grupo de jogadores em Parma, onde a Roma fazia pré-temporada. Levei três ponchos gaúchos para dar de presente. Foi um para o presidente Viola, um para o técnico Nils Liedholm e o outro sorteamos entre os jogadores. Ganhou o goleiro Franco Tancredi. Quando Liedholm me apresentou, um dos jogadores comentou, irônico: – Agora temos em quem jogar a culpa pelas derrotas. O intérprete me traduziu e eu não deixei barato: – Agora entendo por que a Roma não ganha títulos há tanto tempo. É por causa de pensamentos como esse! – pedi a ele que traduzisse.