Homenagem da Revista Placar à seleção brasileira

Este vídeo é uma homenagem da Placar à seleção mais vitoriosa do mundo

Hoje, o Brasil vive um momento
tenso com a Seleção. O futebol apresentado em 2014 não nos representou.
Chegou-se a dizer que o Brasil vive seu pior momento desde que surgiu, há 101
anos. Mas será verdade?

Em dois momentos do passado, após
o Brasil ter virado Seleção Brasileira, em caixa-alta, o time passou por
momentos em que se imaginou que a magia teria acabado.

Em 1966, após dois títulos
mundiais e um belíssimo exemplo de futebol bem jogado e planejamento, o time
brasileiro se perdeu. Sem planejamento e com jogadores envelhecidos, parecia
que o sonho tinha chegado ao fim. A pior campanha na história das Copas,
perdendo para Portugal e Hungria na primeira fase do torneio, fez com que o
torcedor se perguntasse: “Acabou o sonho?”.

Quatro anos depois, desfilou pelos
gramados do México a, talvez, maior seleção de todos os tempos. E novamente,
com Pelé e Cia., o Brasil voltou a ser Seleção Brasileira, em caixa-alta. Seis
jogos, seis vitórias. Futebol bem jogado e engolindo os adversários, seleções
tradicionais.

O segundo momento de crise do
futebol nacional foi em 1990. Após 20 anos sem conquistas, uma Seleção que
gerava muita desconfiança foi para a Itália. Em um 3-5-2 que não funcionava,
Lazzaroni fez com que o Brasil, com alguns talentos, simplesmente se perdesse.
Dunga era o símbolo do time daquele período, que ficou conhecido como “Era
Dunga”. Para piorar a história, a eliminação foi contra a Argentina, no último
duelo entre as duas seleções na Copa.

Mas, com
Dunga como seu capitão, o Brasil saiu desse “inferno”. Já na Copa seguinte, foi
campeão, soterrando um jejum de 24 anos. E essa equipe campeã tinha como base
jogadores que estiveram em 1990. Alguns começando, outros no meio de sua
carreira. Taffarel, Jorginho, Dunga, Bebeto e Romário, que se consagrariam em
1994, estavam no pobre time de 1990.

Foi por
causa da Seleção Brasileira que o futebol conseguiu se espalhar pelos quatro
cantos do Brasil. Foi por causa dela que os clubes brasileiros puderam crescer
e aumentar ainda mais a paixão do brasileiro pelo futebol. E é por isso que ela
não pode ser abandonada pelo torcedor. Pelo bem do futebol brasileiro. Pelo bem
do seu clube do coração. Pelo bem do futebol-arte.

Voltemos a amar a Seleção. Todos nós somos a Seleção!