Guangzhou recusa proposta do Barcelona por Paulinho

Clube espanhol teria feito uma proposta de 20 milhões de euros pelo meia da seleção brasileira

O Guangzhou Evergrande, time chinês no qual o meia Paulinho atua desde 2015, divulgou um comunicado oficial nesta quinta-feira declarando ter recusado uma proposta do Barcelona pelo brasileiro no valor de 20 milhões de euros (cerca de 75 milhões de reais).

No comunicado, o Guangzhou agradeceu ao clube pelo interesse em seu jogador, mas afirmou que Paulinho não está à venda por ser parte do projeto do time e também por ter renovado seu contrato recentemente com a equipe até 2020. “Paulinho, que assinou sua renovação em janeiro de 2017, é um jogador importante para nosso clube a longo prazo. Por isso, já demos uma resposta formal ao Barcelona na qual rejeitamos sua oferta por Paulinho, que não está em nosso plano de vendas de nenhuma maneira. Queremos expressar nossa gratidão ao Barcelona por ter um tão alto grau de estima a Paulinho”, afirmou o clube chinês.

Veja também

Em entrevista recente ao jornal catalão Mundo Deportivo, o técnico Luiz Felipe Scolari, que dirige o time chinês, reforçou a importância da permanência do volante, que também recuperou seu espaço na seleção brasileira, depois que Tite assumiu o comando no lugar do demitido Dunga. “Paulinho não sairá do Guangzhou. Ele tem uma cláusula (de rescisão contratual) de 40 milhões de dólares (quase 133 milhões de reais pela cotação atual), para os que não sabem. Agora não está fácil para qualquer equipe chinesa abrir mão de um grande jogador”, disse ao diário espanhol.

Paulinho chegou ao time chinês após passagem apagada pelo Tottenham. No Guangzhou, voltou a ser convocado para a seleção e ajudou o clube a conquistar uma Liga dos Campeões da Ásia, duas edições do Campeonato Chinês e uma Copa da China. Apesar das especulações de que o Barcelona desejava contratar Paulinho, o clube espanhol ainda não havia manifestado interesse no jogador de forma oficial.

Na atual janela de transferências, a equipe catalã anunciou apenas o retorno do meia Gerard Deulofeu, formado nas suas divisões de base e que pertencia ao Everton, da Inglaterra. O Barcelona exerceu a cláusula de recompra que existia no contrato do jogador de 23 anos.

(com Estadão Conteúdo)