Estádio palmeirense rende mais que o corintiano, diz jornalista

Financeiramente, negócio palmeirense foi melhor

O jornalista do UOL, Rodrigo Mattos, em seu blog, trouxe um levantamento sobre o valor arrecadado por cada uma das arenas com bilheteria, naming rights e outros patrocínios. Segundo levantamento, o estádio palmeirense rendeu cerca de R$ 150 milhões a mais que o estádio corintiano em dois anos de ambos.

A Arena Corinthians usou como modelo o empréstimo do BNDES e incentivo fiscal dados à Odebrecht, que tocou a obra. A conta do estádio, a princípio, seria pago com a soma da renda dos jogos do Timão. A conta tinha perspectiva de ser paga em 20 anos.

Nesse período, de acordo com contas do fundo Arena Imobiliário, somados à bilheteria do clube, o estádio arrecadou R$ 147,5 milhões nestes dois anos e meio aberto. O estádio rendeu R$ 119,3 milhões até o meio de 2016 e, de acordo com o blog, a renda com bilheteria no segundo semestre foi de R$ 28,2 milhões. Contudo, todo esse dinheiro recebido foi para o pagamento do estádio.

Já o Palmeiras fez uma parceria com a construtora W/Torre. O clube cederia o local e o antigo estádio e não colocaria um centavo na obra. Em troca, o local e o terreno são cedidos à construtora por 30 anos. As bilheterias de jogo ficariam todas com o Verdão, enquanto a construtora teria o direito de exploração do estádio para shows e outros eventos.

Nestes dois anos e dois meses de funcionamento, o Allianz Parque. Em 2015, só de bilheteria, o clube arrecadou R$ 87,2 milhões, enquanto em 2016, sem um balanço total 100% fechado, o clube lucrou R$ 59,6 milhões. Com isso, nestes dois anos, o time somou R$ 146,8 milhões só com bilheteria dos jogos. Com o Verdão tem direito a um percentual na renda dos outros eventos e nos naming rights do estádio, o lucro aumenta, deixando o Allianz Parque com cerca de R$ 150 milhões a mais de lucro no período.

De acordo com o jornalista, no melhor cenário, caso o Timão quite sua dívida com o BNDES e a Odebrecht em 20 anos, o clube ainda ficará atrás do Palmeiras nisso. Caso não pegue nada de bilheteria para si no período, a vantagem palmeirense nesse tempo pode chegar a R$ 1,5 bilhão, sendo que após dez anos, o estádio ficaria 100% com o Palmeiras.