Em jogo de dois tempos distintos, Avaí e Ponte não saem do zero

Partida na Ressacada é forte candidato ao título de pior da rodada

Avaí e Ponte Preta mediram forças neste domingo, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, mas não conseguiram sair do zero. Em jogo com dois tempos distintos, sendo a primeira etapa com boas chances e a segunda muito truncada, com muitos erros de passe, o duelo terminou empatado em 0 a 0.

O resultado não foi bom para nenhuma das equipes. A Ponte Preta se manteve na 11ª colocação, com 15 pontos, e chegou a seu segundo jogo sem vencer na Série A. Já o Avaí é o vice-lanterna, com nove pontos.

A Ponte Preta volta a campo pelo Campeonato Brasileiro no próximo sábado, às 19h(de Brasília), quando visita o Corinthians, na Arena de Itaquera. Já o Avaí atuará no domingo, também às 19h(de Brasília), visitando o Grêmio, na Arena do Grêmio.

O jogo – A Ponte Preta foi para a partida com a ausência de última hora do técnico Gilson Kleina, que foi liberado para ficar com sua família após o falecimento de seu cunhado. Mesmo sem contar com seu treinador e sendo comandada pelo auxiliar Juninho, a Macaca teve um início melhor na partida e criou a primeira boa chance. Aos 10 minutos, Lucca recebeu pela esquerda, arriscou o chute e obrigou o goleiro Douglas a espalmar para afastar o perigo.

O Avaí respondeu aos 11, em cabeçada de Joel para fora após cobrança de escanteio. No entanto, a Macaca voltou a a levar muito perigo aos 17, em testada de Naldo a queima-roupa, que obrigou Douglas a fazer outra grande defesa.

O Leão da Ressacada voltou a responder aos 18, desta vez, porém, com muito mais perigo. Joel ganhou da marcação, avançou pelo meio e arriscou o chute de fora da área. A bola saiu pela linha de fundo, mas tirou tinta da trave.

Em bom momento do jogo, a Ponte Preta voltou a assustar aos 23. Lucca cobrou falta de longa distância, mas a bola quicou perto do gol. Com isso, atrapalhou o goleiro Douglas, que foi obrigado a espalmar para fora para evitar ser surpreendido.

Com o alto número de chances na primeira metade da etapa inicial, o jogo ficou morno nos minutos seguintes, mas voltou a pegar fogo na reta final. Aos 36, Claudinho ficou com a sobra de bola e chutou de fora da área, tirando tinta da trave do goleiro Douglas. Já aos 41, foi a vez de Joel receber passe de Capa pelo lado do Avaí e completar para a rede, mas o jogo foi paralisado com a marcação correta de um impedimento.

Ainda deu tempo para mais uma boa chance do Leão. Aos 45, Romulo recebeu dentro da área, girou para cima da marcação e mandou um chute forte, obrigando Aranha a se esticar para salvar a Ponte. Após esta oportunidade, o primeiro tempo foi encerrado com o placar em branco.

A partida voltou para a segunda etapa e foi o Avaí quem teve a primeira boa chance. Aos cinco minutos, Pedro Castro cobrou falta na entrada da área, a bola desviou na barreira e quase enganou o goleiro Aranha, que teve que mudar sua trajetória para se recuperar no lance e espalmar a bola para longe do gol.

Nos minutos seguintes, o jogo ficou truncado, com as duas equipes finalizando apenas de fora da área. Aos 15 Pedro Castro mandou ao lado do gol em chute de longa distância. Já aos 17, foi a vez de Lucca fazer o mesmo, em cobrança de falta.

Com o passar da segunda etapa, porém, até os chutes de fora da área pararam de acontecer, já que as duas equipes demonstravam afobação no momento de criação das jogadas, errando muitos passes no meio de campo e no ataque.

Apesar de pressionar em busca da vitória nos minutos finais, o Avaí não conseguiu ser efetivo na criação de oportunidades e o jogo se encerrou com o placar de 0 a 0.

FICHA TÉCNICA: AVAÍ 0x0 PONTE PRETA

Local: Estádio da Ressacada, em Florianópolis (SC)
Data: 02 de julho de 2017, domingo
Horário: 19 horas (Brasília)
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Assistentes: Dibert Pedrosa Moises (RJ) e Michael Correia (RJ)
Público: 5.899 torcedores
Renda: R$ 121.211
Cartões amarelos: Romulo e Luan (Avaí); Naldo e Claudinho (Ponte Preta)

AVAÍ: Douglas; Leandro Silva (Diego Tavares), Betão, Fagner Alemão e Capa; Luan, Judson (Wellington Simião), Juan e Pedro Castro; Joel e Romulo (Júnior Dutra). Técnico: Claudinei Oliveira

PONTE PRETA: Aranha, Jeferson, Marllon, Kadu e Fernandinho; Fernando Bob, Naldo, Léo Artur (Jadson) e Claudinho (Felipe Saraiva); Lins (Negueba) e Lucca. Técnico: Juninho

(com Gazeta Press)