Divisão de vagas para Copa do Mundo de 2026 é aprovada

América do Sul passará a contar com seis lugares diretos e um na repescagem

Foi aprovada nesta terça-feira pelo Conselho da Fifa a divisão de vagas por continente da Copa do Mundo de 2026, a primeira com 48 seleções. Além disso, ficou estabelecido o processo de candidaturas para sediar a competição. As decisões foram tomadas no Bahrein, antes do congresso da entidade, marcado para quinta-feira.

Ratificando o plano do Comitê do Conselho, proposto no dia 20 de março, a divisão de vagas ficou assim: 16 para a Europa (Uefa), 9,5 para a África (CAF), 8,5 para a Ásia (AFC), 6,5 para a América do Sul (Conmebol), 6,5 para Américas do Norte e Central e Caribe (Concacaf) e uma para a Oceania (OFC).

As duas últimas vagas serão decididas em uma repescagem intercontinental com seis seleções. Além disso, o país anfitrião continua automaticamente classificado, e sua vaga será subtraída da cota de sua confederação. No caso de dois ou mais países organizarem conjuntamente o torneio, o número de seleções classificadas de forma automática será determinado pelo Conselho da Fifa.

O órgão aproveitou a ocasião para determinar uma série de requisitos a serem cumpridos para a escolha da sede do torneio. Haverá exigências quanto a estádios, infraestrutura, sustentabilidade, proteção dos direitos humanos e do meio ambiente. Além disso, serão levados em consideração “apoio governamental, modelo de organização e disposições para garantir um legado após a Copa do Mundo”, de acordo com a Fifa.

Estados Unidos, México e Canadá já apresentaram uma candidatura conjunta para organizar o Mundial de 2026 – e dificilmente terão concorrentes. Com o novo formato, o número de jogos do torneio subirá de 64 para 80, mas a Fifa manterá os 32 dias de competição.

(Com EFE)