Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cássio x Prass: ídolos em situações opostas no clássico paulista

Goleiro corintiano vive ótima fase, na liderança do Brasileirão e cotado para a seleção. Já o ídolo alviverde tem titularidade contestada após falhas

Dois dos maiores goleiros da história de seus clubes, Cássio, do Corinthians, e Fernando Prass, do Palmeiras, chegam para o clássico desta noite, em momentos completamente distintos. O corintiano está há seis partidas sem tomar gols, defendeu dois pênaltis no torneio, e é um dos principais destaques da avassaladora campanha do líder do Campeonato Brasileiro. Já  Prass tem cometido falhas e tem seu nome contestado por parte da torcida, apesar de todos os serviços prestados nos últimos anos. O duelo entre os ídolos começa às 21h45, no Allianz Parque.

Há um ano, o cenário era totalmente distinto. Herói absoluto na conquista da Copa do Brasil de 2015, Prass mantinha boa fase e se preparava para disputar a Olimpíada do Rio de Janeiro, possivelmente como capitão. Uma boa participação na Rio-2016 poderia lhe render uma convocação na equipe principal, do recém-chegado técnico Tite. No entanto, uma grave lesão no cotovelo direito tirou Prass não só da Olimpíada como de quase todo o restante do Brasileirão. O reserva Jaílson entrou em seu lugar e brilhou na conquista do título.

Cássio, por sua vez, viveu seu momento mais difícil no Corinthians em 2016. Abalado pela morte da avó que o criou, o jogador caiu de rendimento e descuidou da forma física. Acabou sacado por Tite, dando lugar ao reserva Walter, que deixou boa impressão. Na época, Cássio ficou magoado e chegou a criticar publicamente o preparador de goleiros Mauri Lima. Meses depois, pediu desculpas e admitiu que estava fora de forma e pouco focado. Walter se lesionou e Cássio voltou a ter chances, mas só se firmou como titular em 2017, com a confiança do técnico Fábio Carille. 

Redenção e título

Corinthians é campeão paulista

Cássio ergue a taça do Paulista (Paulo Whitaker/Reuters)

A temporada de 2017 começou de forma conturbada no Corinthians. A crise financeira e a desconfiança da torcida em relação ao elenco colocava o time em posição de “zebra” nos torneios (o termo “quarta força” incomodou muitos atletas). Por outro lado, o campeão brasileiro Palmeiras iniciou o ano com a torcida entusiasmada, muito dinheiro na conta e contratações milionárias em campo. No entanto, contrariando todos os prognósticos, o Corinthians teve um primeiro semestre muito mais feliz, com ajuda importante de Cássio.

Mais magro e focado, o goleiro teve atuações decisivas na campanha do título paulista. De quebra, recebeu a faixa de capitão na final contra a Ponte Preta e levantou o 28º troféu estadual do clube. No Brasileirão, teve atuações ainda melhores – defendeu pênaltis de Luan, do Grêmio, e Lucca, da Ponte Preta, em momentos decisivos. A boa fase chamou a atenção de Tite, que enviou o preparador de goleiros Cláudio Taffarel para observar o jogador corintiano.

Prass, por outro lado, sofreu, assim como toda a equipe do Palmeiras. Seja com Eduardo Baptista ou Cuca no comando, o goleiro alternou bons momentos com falhas decisivas. Os erros mais gritantes aconteceram diante do Coritiba e no clássico contra o São Paulo. Na última partida, na derrota contra o Cruzeiro, o goleiro voltou a errar e muitos torcedores foram às redes sociais cobrar a volta de Jaílson.

Confronto direto

Cássio e Prass, que coincidentemente são gaúchos e começaram nas categorias de base do Grêmio, já se enfrentaram diversas vezes. No clássico paulista, foram nove encontros, com duas vitórias do Cássio, duas vitórias de Prass e cinco empates. Em um dos empates, Prass foi bem mais feliz: defendeu as cobranças de Elias e Petros na vitória do Palmeiras, nos pênaltis, na semifinal do Paulista de 2015.

Cássio, porém, guarda boas lembranças de um duelo de 2012: foi contra o Vasco, de Prass, que o ídolo corintiano defendeu chute de Diego Souza e foi herói na classificação à semifinal da Libertadores, que seria vencida pelo Corinthians. Nesta quarta-feira, os ídolos tentarão desempatar a disputa no dérbi.

Fernando Prass defende pênalti de Petros do Corinthians

O goleiro Fernando Prass do Palmeiras defende pênalti de Petros do Corinthians na semifinal do Campeonato Paulista de 2015 (Heitor Feitosa/VEJA.com)