Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Atacante do Palmeiras é criticado por não ter batido pênalti

Deyverson é acusado de ser um dos atletas que, segundo Cuca, pediram para não cobrar penalidade. Post de três dias antes piorou ainda mais sua situação

A eliminação nos pênaltis diante do Barcelona do Equador, nas oitavas de final da Copa Libertadores, gerou muitas críticas aos atletas, dirigentes e ao treinador do Palmeiras. Após a partida no Allianz Parque, Cuca disse que se sente pressionado no cargo e defendeu Egídio, que errou a última cobrança, da revolta dos torcedores. Ao preservar o lateral, porém, o treinador revelou que “tinha jogadores que não estavam com confiança para bater”. Com base em imagens de televisão e na declaração do treinador, torcedores classificaram dois jogadores como “pipoqueiros” por não terem batido: o zagueiro Luan e, principalmente, o atacante Deyverson. 

Uma imagem da Rede Globo mostrou Deyverson colocando a mão na coxa no momento em que o técnico Cuca se aproximou para conversar antes da decisão. O gesto foi reprovado por muitos torcedores, que lotaram suas redes sociais de protestos. “Egídio que perdeu o pênalti tem mais moral que você, que se escondeu na hora que o time mais precisou” e “Moisés bateu quase de muleta e você pipocou” foram alguns dos comentários mais educados.

Uma infeliz coincidência complicou ainda mais a vida de Deyverson, que até então vinha sendo elogiado pela maior parte da torcida e com boas atuações ganhou a vaga de titular do badalado Miguel Borja. Três dias antes do jogo, Deyverson estrelou uma campanha publicitária da nova camisa do Palmeiras, que homenageia a “Arrancada Heróica” de 1942, ano que que o clube trocou o nome de Palestra Itália por Palmeiras.

No primeiro jogo com o novo nome, o Palmeiras vencia o São Paulo por 3 a 1, quando um pênalti a seu favor foi marcado e os jogadores do rival se negaram a continuar a partida. Em lembrança a este fato, o clube escalou Deyverson para segurar um jornal antigo com a manchete: “O pênalti que nunca foi cobrado”. A mensagem, claro, se virou contra ele e a postagem ficou repleta de insultos.

Outro jogador acusado pela torcida de não ter batido o pênalti foi o zagueiro Luan. Imagens da Fox Sports após o jogo mostraram Cuca conversando em tom ríspido com o atleta após a partida. Luan era um dos batedores do Vasco em sua passagem pelo clube carioca.

Nesta quinta, o volante Moisés, que bateu o seu pênalti mesmo com dificuldades até para caminhar, defendeu os companheiros. “Eu particularmente prefiro que o jogador seja honesto. Se ele não se sentia bem, acho que ele foi homem para caramba de assumir isso. É melhor falar que não está se sentindo confortável do que ir para a bola com medo”.

Moisés ainda ressaltou o fato de os quatro batedores oficiais estarem fora do campo no momento: Jean, Dudu, Roger Guedes e Miguel Borja.  Bateram pelo Palmeiras Tchê Tchê, Keno, Guerra e Moisés (que marcaram), Bruno Henrique e Egídio (que falharam).

Jogadores o Palmeiras se abraçam durante disputa de pênalti contra o Barcelona de Guayaquil (Gil Guzzo/Ofotografico/Folhapress)