Solução prática

Monitore sua casa à distância – e na palma da mão

Popularização de câmeras IP e a evolução das redes sociais facilitam a vida de quem quer ficar de olho em sua residência ou escritório

Por James Della Valle
Câmera IP

(ThinkStock)

Monitorar uma residência não requer mais muito dinheiro, nem exige conhecimentos técnicos aprofundados. A popularização de algumas tecnologias e até mesmo a evolução das redes sociais se encarregaram de facilitar a vida de quem quer ficar de olho em sua casa ou escritório. Basicamente, há dois sistemas para monitoramento remoto. O primeiro, utiliza dispositivos conhecidos como câmeras IP. O outro, mais limitado, opera com ajuda das redes sociais. Entenda a diferença entre os dois modelos no infográfico abaixo.

Para colocar o primeiro sistema em operação, é preciso unir hardware e software. O hardware são basicamente as câmeras que farão a captura de imagens – com ou sem a ajuda de fios. Conectadas diretamente à internet (daí o nome câmera IP, de internet protocol, ou protocolo de internet), elas podem transmitir imagens ao usuário onde quer que ele esteja. Com 150 reais, é possível adquirir um modelo básico, caso da DCS – 910, com fio, fabricada pela empresa de eletrônicos D-Link.

As opções sem fio, mais caras e avançadas, permitem imagens de melhor qualidade e conseguem operar mesmo no escuro. Esses dispositivos podem custar até 3.000 reais, com taxa de instalação. Mas não é preciso gastar tanto. O modelo SC3171G, da TP-Link, pode ser encontrado por 340 reais no mercado. A SNB-1001, da Samsung, custa 514 reais, sendo que o item oferece um sistema de reconhecimento facial. Continua e ler a reportagem 

Resolvida a questão do hardware, resta ao usuário escolher o software a partir do qual receberá as imagens de sua residência na palma da mão, ou seja, em seu smartphone. Os dois melhores aplicativos para iPhone são compatíveis com a maioria das câmeras: o gratuito NetcamViewer Mobile e o IP Câmera Viewer, que pode ser adquirido na App Store por 2,99 dólares. Proprietários de smartphones com o sistema operacional Android, do Google, podem baixar grauitamente o programa MEye ou comprar o IP Cam Viewer por 4,99 dólares.

Redes sociais – O monitoramento à distância pode sair ainda mais barato. Com uma modesta webcam de 30 reais e duas contas em redes sociais, pode-se montar um sistema simples, mas efetivo, para espiar a porta de casa ou o quarto do bebê.

Tanto o Google+, rede social do Google, quanto o Facebook apresentaram recentemente seus sistemas de videoconferência: o Hangout e o Videochat, respectivamente. O objetivo desses programas é possibilitar a comunicação de vídeo entre os frequentadores dos sites – uma funcionalidade que pode ser facilmente alterada com um toque criativo. Para monitorar sua casa, tudo o que o usuário tem a fazer é manter duas contas no serviço: uma delas vai capturar as imagens do ambiente a ser monitorado, e as enviará via rede social; a outra, é claro, será usada para assistir às imagens.

Para isso, pode-se usar a câmera embutida no notebook. Quem tem desktop ou quer captar imagens de outros pontos da casa, pode adquirir uma câmera extra e ligá-la à máquina. É uma pechincha: por 50 reais, compra-se modelos como C120, da Logitech, e 10028, da Clone.

No Facebook, há uma dificuldade para colocar o sistema em operação. Para iniciar o Videochat, é preciso enviar uma solicitação para o segundo computador, o que pode dificultar as coisas. O funcionamento do Hangout, do Google+, é mais simples: permite iniciar a conversa on-line sem a necessidade de confirmação pela outra parte. Basta escolher a dedo quem pode acessar o conteúdo.

Qualquer que seja o modo de monitoramento (câmera IP ou redes sociais), é preciso ter em mente que uma interrupção no serviço de internet suspende imediatamente a transmissão das imagens.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados