Mais Lidas

  1. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  2. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  3. Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

    Brasil

    Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  6. Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

    Brasil

    Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

  7. Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

    Ciência

    Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

  8. No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do relator

    Brasil

    No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do...

LulzSecBrazil divulga dados atribuídos a Dilma e Kassab

Números de CPF e celulares estão entre informações. Nenhuma autoridade confirma autenticidade

- Atualizado em

O grupo de crakers autointitulado LulzSecBrazil divulgou, na madrugada desta quinta-feira, dados pessoais atribuídos à presidente Dilma Rousseff e ao prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. O link com as informações foi colocado no site do grupo, mas o endereço foi retirado do ar mais tarde. Nenhum autoridade confirmou a veracidade dos dados.

O arquivo exibia dados como números de CPF, PIS, data de nascimento, telefones fixos e celulares, signo e e-mails pessoais. Apesar do alarde, muitas dessas informações são públicas e devem ser apresentadas pelos candidatos à Justiça Eleitoral à época das eleições.

Os dados atribuídos a Dilma e Kassab foram divulgados em uma sala de bate-papo criada dentro da rede AnonOps (que usa a plataforma IRC), acessada a partir de um endereço divulgado pelo LulzSecBrazil via Twitter. Horas depois da divulgação dos dados, os crackers pediam a colaboração de "militantes" para iniciar nova ação, desta vez com o objetivo de derrubar o site do Senado.

O site da rede BBC no Brasil ouviu, ainda na madrugada, o coordenador de comunicação social do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro), responsável pela manutenção dos sites do governo federal, Carlos Marcos Torres. Ele afirmou que nenhum dado havia sido furtado dos endereços públicos.

Em entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira, o órgão já havia comentado os recentes ataques de grupos crackers a sites federais. De acordo com as informações oficiais, as ações teriam apenas sobrecarregado os sistemas, num procedimento conhecido como ataque de negação de serviço (DDoS), quando um grande número de computadores tenta acessar um endereço eletrônico, levando-o a sair do ar. O ataque não teria causado danos.

A Petrobras emitiu um comunicado oficial onde nega vazamentos de dados confidenciais a partir de seus servidores. O site da companhia foi alvo de ataque na tarde desta quarta.

TAGs:
Crackers