Mais Lidas

  1. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  2. Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

    Brasil

    Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

  3. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do relator

    Brasil

    No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do...

  6. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  7. Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

    Brasil

    Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

  8. Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

    Ciência

    Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

Oncologista italiano vencedor de Nobel morre aos 97 anos

Renato Dulbecco foi laureado com o prêmio pelo trabalho com tumores

- Atualizado em

O oncologista italiano vencedor do prêmio Nobel em 1975, Renato Dulbecco, que realizou pesquisas inovadoras sobre as ligações entre tumores e material genético, morreu na sexta-feira nos Estados Unidos aos 97 anos. A morte de Dulbecco na Califórnia foi anunciada pela agência de notícias italiana Ansa.

Renato Dulbecco
Médico e físico Renato Dulbecco(Divulgação/VEJA)

Ele nasceu no dia 22 de fevereiro de 1914, em Catanzaro no sul da Itália, mas passou a maior parte da vida nos Estados Unidos, apesar de voltar frequentemente à terra natal e ter sido até apresentador de um concurso italiano de músicas em 1999.

Dulbecco, que se formou em medicina em Turim em 1936, participou da Segunda Guerra Mundial como médico, primeiro na França e depois na Rússia, onde foi ferido e passou meses em recuperação. Em 1943, juntou-se a combatentes antifacistas.

Depois da guerra, ele se graduou novamente, em Física. Sua carreira internacional começou em 1947 quando foi para os Estados Unidos ensinar no Instituto de Tecnologia da Califórnia, tornando-se um cidadão americano em 1953.

Em 1975, recebeu o prêmio Nobel de Medicina por seu trabalho sobre tumores.

(Com Agência France-Presse)

TAGs:
Câncer
Itália
Prêmio Nobel