Câncer

Prevenção

Exame de sangue pode detectar risco de câncer oral causado pelo HPV

Anticorpos específicos que agem contra o vírus podem ser detectados no sangue mais de dez anos antes do aparecimento de sintomas do câncer oral

HPV16: a cepa do vírus, quando transmitida pelo sexo oral, é a principal causadora do câncer de boca

HPV16: a cepa do vírus, quando transmitida pelo sexo oral, é a principal causadora do câncer de boca (Latinstock/VEJA)

Pesquisadores acreditam que um simples exame de sangue será capaz de, no futuro, detectar quais pessoas apresentam um risco alto de câncer de boca causado pelo papilomavírus humano, o HPV, quando transmitido por meio do sexo oral. Isso porque um novo estudo da Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer (Iarc, sigla em inglês) descobriu que a presença de determinados anticorpos no sangue de uma pessoa pode acusar o câncer anos antes de a doença se instalar.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Evaluation of Human Papillomavirus Antibodies and Risk of Subsequent Head and Neck Cancer

Onde foi divulgada: periódico Journal of Clinical Oncology

Quem fez: KAimée R. Kreimer, Mattias Johansson, Tim Waterboer, Rudolf Kaaks, Jenny Chang-Claude, Dagmar Drogen, Anne Tjønneland, Kim Overvad, J. Ramón Quirós, Paul Brennan e outros

Instituição: Agência Internacional para a Pesquisa do Câncer e outros

Dados de amostragem: 50.000 pessoas monitoradas desde a década de 1990

Resultado: As pessoas podem apresentar anticorpos E6, que lutam contra o HPV16, a principal cepa do vírus relacionada ao câncer de boca, até 12 anos antes de virem a apresentar sintomas desse câncer. Um exame de sangue que detecta a presença de tais anticorpos pode ser, no futuro, usado para prevenir o avanço da doença.

A pesquisa da Iarc, que é um órgão ligado à Organização Mundial da Saúde (OMS), será publicada no periódico Journal of Clinical Oncology. “Até agora, não se sabia se esses anticorpos estavam presentes no sangue antes que o câncer se tornasse clinicamente detectável. Se esses resultados se confirmarem, futuras ferramentas de triagem poderão ser desenvolvidas para a detecção precoce da doença”, diz Paul Brennan, coordenador do estudo. “Quanto mais precoce for a detecção, melhor o tratamento e maior a sobrevivência.”

Um vírus, muitas doenças — O HPV é mais conhecido por causar cânceres genitais e de colo do útero, mas ele é também responsável por um número crescente de casos de boca e garganta, especialmente entre homens. Segundo a AIPC, cerca de 30% de todos os cânceres orais estão relacionados ao HPV. Neste mês, o ator norte-americano Michael Douglas revelou que o câncer de garganta que o acometeu foi causado pelo HPV transmitido via sexo oral.

A nova pesquisa da Iarc, que teve participação de especialistas de institutos da Alemanha e dos Estados Unidos, usou dados de 50.000 pessoas de dez países europeus que foram monitoradas desde a década de 1990. Os pesquisadores observaram que, de 135 pessoas do estudo que desenvolveram câncer, 47 (cerca de um terço) apresentavam anticorpos E6 contra o HPV16, a principal cepa do vírus relacionada ao câncer de boca, até 12 anos antes do surgimento de sintomas da doença.

De acordo com Brennan, o exame usado no estudo é relativamente simples e barato, e pode ser desenvolvido como uma ferramenta para uso mais generalizado dentro de cinco anos, caso os resultados se confirmem em novos estudos. O pesquisador alertou, no entanto, que é preciso melhorar a precisão dos testes, já que houve na pesquisa cerca de 1% de “falsos positivos” para o anticorpo do HPV16.

(Com agência Reuters)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados