Dieta

Emagrecimento

Estudo confirma eficácia da liraglutida para perder peso

Análise mostra que remédio contra diabetes (Victoza) é útil para perda de peso em pessoas com sobrepeso e obesidade, com ou sem diabetes

Medicamento Victoza

Victoza: revisão de estudos confirma que remédio para diabetes leva à perda de peso (Reprodução/VEJA)

O remédio Victoza (liraglutida) é eficaz para o tratamento da obesidade, segundo uma revisão publicada pelo periódico British Medical Journal. A droga fabricada pelo laboratório Novo Nordisk é oficialmente indicada para o tratamento do diabetes tipo 2. Em setembro do ano passado, VEJA publicou uma reportagem apontando o medicamento como uma grande arma para a luta contra o excesso de peso.

No total, foram revisados 25 estudos, com mais de 6.000 pacientes. De acordo com a pesquisa, o benefício foi observado em pessoas com sobrepeso e obesidade, com ou sem diabetes.

Após 20 semanas, os voluntários perderam, em média, cerca de três quilos. Em pacientes que receberam doses mais altas do medicamento a perda foi maior: sete quilos. Além disso, a pesquisa também confirmou que a liraglutida diminuiu a pressão arterial e os níveis de colesterol.

O medicamento é administrado a partir de injeções diárias. A liraglutida imita a ação do hormônio GLP-1, que é sintetizado no intestino delgado. Ela está relacionada aos mecanismos de saciedade e reduz os movimentos intestinais de contração, o que prolonga a satisfação alimentar.

Efeitos colaterais — Entre os principais efeitos colaterais apontados pelo estudo estão náusea, vômito e diarreia, mas não houve registro de hipoglicemia. Por enquanto, os autores da revisão acreditam que o uso da droga para perda de peso deva ser considerado nos pacientes com diabetes que têm obesidade ou sobrepeso. Eles dizem que mais estudos são necessários para elucidar os efeitos da liraglutida no tratamento de pessoas com excesso de peso, mas sem diabetes.

No editorial que acompanha o estudo, Raj Padwal, da Universidade de Alberta, no Canadá, diz que a questão de segurança do uso do medicamento com essa finalidade ainda não está clara. Segundo Padwal, estudos realizados com animais levantaram preocupações de que o medicamento aumentaria o risco de pancreatite e câncer.

"A relevância clínica disso em humanos ainda é desconhecida e talvez demore décadas para que se possa avaliar isso plenamente, apesar de estudos publicados pós-comercialização do remédio terem sido tranquilizadores", escreveu.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados