Mais Lidas

  1. STF barra crédito extra de 100 milhões de reais para publicidade do governo

    Brasil

    STF barra crédito extra de 100 milhões de reais para publicidade do...

  2. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  3. Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

    Brasil

    Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. Cunha chama reajuste no Bolsa Família de irresponsabilidade fiscal

    Brasil

    Cunha chama reajuste no Bolsa Família de irresponsabilidade fiscal

  6. 1º de Maio: Dilma oficializa reajuste de 9% no Bolsa Família

    Brasil

    1º de Maio: Dilma oficializa reajuste de 9% no Bolsa Família

  7. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  8. Família real britânica divulga fotos da princesa Charlotte

    Mundo

    Família real britânica divulga fotos da princesa Charlotte

Especialista tira dúvidas sobre formas de contágio da aids

- Atualizado em

Desde sua descoberta, em 1981, o HIV, vírus causador da aids, então conhecido como HTLV-III (human t-cell lymphotropic virus) nos Estados Unidos e LAV (lymphadenopathy-associated virus) na Europa, provocou profundas mudanças na sociedade. Matou mais de 25 milhões de pessoas e infectou outras 33 milhões. A rigor, o vírus não mata ninguém, mas, ao atacar as células de defesa humanas, deixa o organismo vulnerável às mais prosaicas infecções. Os últimos anos trouxeram, no entanto, uma série de avanços promissores. Na última década, o número de mortes e de novas infecções, mesmo nos países mais pobres da África, caiu. Já se fala em acabar com a doença. Não é uma meta impossível. Se todos os contaminados pelo vírus fossem diagnosticados e recebessem os medicamentos antivirais, a taxa de novas infecções poderia cair a zero. Por isso é tão importante fazer o exame para a detecção da doença. Neste vídeo, um dos principais especialistas do Brasil em aids, o infectologista Caio Rosenthal, do hospital Emílio Ribas, em São Paulo, tira as dúvidas sobre as formas de contágio e explica como a detecção precoce da doença não só ajuda o soropositivo a ter maior qualidade de vida, como também diminui os riscos de contaminar outras pessoas.

*O conteúdo destes vídeos é um serviço de informação e não pode substituir uma consulta médica. Em caso de problemas de saúde, procure um médico.

TAGs:
Aids
HIV
Pergunte ao Médico