Pesquisa

Descoberta pode ajudar a acabar com a calvície

Pesquisadores americanos encontraram maiores quantidades de uma proteína que inibe o crescimento dos cabelos no couro cabeludo de homens calvos

Calvície

Calvície: segundo pesquisa, a área careca tem uma concentração maior de uma proteína que inibe o crescimento de cabelo (Thinkstock/VEJA)

Uma pesquisa feita na Faculdade de Medicina da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, identificou que homens com calvície têm quantidades anormais de uma proteína no couro cabeludo que inibe o crescimento de cabelo. De acordo com os autores do estudo, essa descoberta pode ajudar no desenvolvimento de novos tratamentos que consigam reverter a queda de cabelo entre os homens. Esses resultados foram publicados nesta quarta-feira no periódico Science Translational Medicine.

Opinião do especialista

Lucia Mendelmembro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American Academy of Dermatology e colunista do site de VEJA


O estudo é interessante, merece atenção e deve ser discutido, já que pode colaborar futuramente para o combate à calvície.

Trata-se, no entanto, de um resultado inesperado, já que as prostaglandinas (substâncias que funcionam como mediadores químicos, coordenando muitas das funções do organismo) são vistas como estimulantes do crescimento de pelos ou cabelos. É o caso do bimatoprost, medicamento análogo à prostaglandina, que estimula o crescimento de cílios e sobrancelhas. O bimatoprost é usado no Latisse, produto que aumenta o número de cílios, o comprimento, a espessura e escurece os fios.

Existem alguns estudos que mostram que as prostaglandinas incrementam o crescimento de cabelos no couro cabeludo em pessoas com tendência à calvície.

Segundo os especialistas, a proteína em questão é uma prostaglandina D2 (PGD2). É sabido que outros tipos de prostaglandina — que são os membros do grupo dos lipídeos — ajudam no crescimento do cabelo e por isso, os resultados desse novo estudo surpreenderam a todos.

Veja também:
Especialista tira dúvidas sobre calvície

Até os 70 anos de idade, 80% dos homens são acometidos pela calvície de padrão masculino. De acordo com a dermatologista Leila Bloch, o padrão masculino do problema significa que a calvície se deve, em grande parte, a fatores genéticos, e a perda do cabelo tende a começar pela parte da frente ou pela parte superior da cabeça.

"Por isso, o sexo masculino se beneficia mais do que as mulheres com as descobertas em torno de proteínas e hormônios que ajudam a impedir a queda de cabelo. Eles são mais sensíveis a ações hormonais do que elas, já que o padrão feminino de calvície incorpora principalmente outros fatores, como os emocionais ou alimentação, do que o hereditário", diz a médica.

No estudo, os pesquisadores analisaram o tecido do couro cabeludo de homens com e sem calvície. Eles observaram que os homens calvos apresentaram níveis de PGD2 até três vezes mais elevados do que aqueles que não tinham o problema. Após identificar isso, a equipe realizou testes em ratos que haviam sido modificados para apresentar grandes quantidades da proteína. A experiência mostrou que a proteína inibiu o crescimento de pelos nos animais, que ficaram completamente 'calvos'.

Segundo os pesquisadores, essa inibição ocorreu por meio de um receptor chamado GPR44 e, portanto, ele seria a chave para um novo e promissor alvo terapêutico para a calvície e poderia ajudar a compor um creme que tratasse o problema. Na opinião da dermatologista Leila Bloch, se as terapias baseadas nessa proteína se mostrarem eficazes, um produto para o tratamento da calvície poderia ficar pronto em dez anos. Ou seja, antes do que um tratamento com células-tronco, que estima-se  fique disponível entre 15 e 20 anos.

Abaixo, o coordenador do estudo, George Cotsarellis, explica os detalhes da descoberta (vídeo legendado em português):

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados