Mais Lidas

  1. Teori concede liminar e suspende Eduardo Cunha do cargo de deputado

    Brasil

    Teori concede liminar e suspende Eduardo Cunha do cargo de deputado

  2. Ex de Susana Vieira vira garçom e vende artesanato na web

    Entretenimento

    Ex de Susana Vieira vira garçom e vende artesanato na web

  3. Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se revoltam

    Mundo

    Clientes de restaurante vegano descobrem que donos comem carne e se...

  4. Primeiro ato do substituto de Cunha: encerrar a ordem do dia

    Brasil

    Primeiro ato do substituto de Cunha: encerrar a ordem do dia

  5. Atriz revela ser dublê de corpo do nude de Maitê Proença

    Entretenimento

    Atriz revela ser dublê de corpo do nude de Maitê Proença

  6. Aliado narra irritação de Cunha com 'intromissão' de Teori

    Brasil

    Aliado narra irritação de Cunha com 'intromissão' de Teori

  7. Falta uma semana para descermos a rampa com Dilma, diz ex-ministro

    Brasil

    Falta uma semana para descermos a rampa com Dilma, diz ex-ministro

  8. Substituto de Cunha na presidência da Câmara também é investigado no petrolão

    Brasil

    Substituto de Cunha na presidência da Câmara também é investigado...

Cirurgia menos agressiva pode corrigir problema na válvula aórtica em idosos

A estenose da válvula aórtica atinge principalmente a população idosa, mas até hoje, no Brasil, a cirurgia para correção não era indicada para essa faixa etária

Por: Aretha Yarak, de Porto Alegre - Atualizado em

Uma das novidades apresentadas no 38˚ Congresso da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, que acontece até o dia 2 de abril, em Porto Alegre, pode melhorar a vida dos idosos brasileiros com estenose da válvula aórtica. A doença, que atinge 6% da população com mais de 75 anos, se caracteriza pelo estreitamento da abertura da válvula aórtica, causado pela calcificação, o que faz com que menos sangue vá para a artéria aorta.

Sem cura, a doença só é tratável com uma cirurgia que abre o peito do paciente para a troca da válvula - procedimento que tem como efeitos negativos o aumento do risco de infecções e o maior tempo de recuperação do paciente. Por isso não era indicada para idosos, justamente quem mais precisa da operação. A técnica apresentada no congresso dispensa essa abertura, e em seu lugar usa uma válvula artificial é inserida por uma pequena incisão, sem a necessidade de abrir o tórax. "Isso significa uma redução drástica no risco da operação para esses pacientes", diz Fernando Lucchese, cirurgião cardíaco e diretor do Hospital São Francisco de Porto. Segundo ele, esse novo procedimento é menos invasivo, menos agressivo e pode melhorar os tratamentos de pessoas idosas que, além da estenose, tenham ainda outras doenças.

Na verdade, a cirurgia minimamente invasiva para estenose da válvula aórtica não é exatamente uma novidade. Criado há oito anos, o procedimento chegou ao Brasil em 2009. Mas nunca foi popularizado. Apesar de ter ganhado força recentemente, no Brasil essas cirurgias pouco invasivas ainda são feitas apenas em casos particulares e com os poucos cirurgiões que dominam a técnica. A maioria desses profissionais está concentrada em faculdades e em grandes centros de pesquisa. Por isso Lucchese, e outros médicos, como Enio Buffolo, da Universidade Paulista de Medicina, e Eduardo Saadi, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, defendem a popularização da técnica e o acesso a todos os pacientes que têm indicação.

Apesar de parecer simples, o procedimento ainda está longe de ser implementado. Além da necessidade de realizar treinamentos para preparar os médicos, empecilhos como custos, processos de aprovação de material e de liberação pelo Sistema Único de Saúde (SUS) são lentos e podem atrasar o andamento em alguns anos.

Um desses entraves, no entanto, pode ser sanado em breve. Uma pesquisa realizada recentemente pela equipe de Lucchese e Buffulo testou uma válvula nacional que poderá reduzir em até quatro vezes o preço que se paga hoje pela similar importada. De acordo com Saadi, o valor médio da válvula importada usada nos procedimentos minimamente invasivos hoje é de R$ 90 mil. Caso a nacional seja aprovada pela Anvisa, esse valor passará a ser quatro vezes menor.

TAGs:
Coração