Tarja desafios brasileiros saúde pública

Saúde pública

Brasil perdeu mais de 40.000 leitos no SUS em sete anos, diz Conselho Federal de Medicina

Dados tabulados pelo CFM apontam uma redução de 10,5% nos leitos públicos do país

O estado do Mato Grosso do Sul foi o que mais perdeu leitos: são 1.468 a menos entre 2005 e 20012

O estado do Mato Grosso do Sul foi o que mais perdeu leitos: são 1.468 a menos entre 2005 e 20012 (Thinkstock)

O número de leitos hospitalares no Brasil sofreu uma redução de 10,5% entre 2005 e 2012, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM). Em levantamento divulgado nesta quinta-feira, o órgão aponta que, em sete anos, houve uma redução de 41.713 leitos hospitalares no Sistema Único de Saúde (SUS). O estado mais prejudicado pela queda é Mato Grosso do Sul, com uma perda de 26,6% dos leitos. O levantamento do CFM foi feito com base nos dados apurados junto ao Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES), do Ministério da Saúde.

De acordo com a pesquisa, o estado de Mato Grosso do Sul perdeu 1.468 leitos de outubro de 2005 a junho de 2012. Na sequência, aparecem os estados da Paraíba, com queda de 19,2% no número de leitos e o Rio de Janeiro, com uma redução de 18%. Na outra extremidade está Roraima, com um aumento de 222 leitos (33,5%), Rondônia (aumento de 23,6%) e Amapá (alta de 9,2%).

No estado de São Paulo, polo nacional de saúde e quinto pior colocado na pesquisa, foram desativados mais de 10.000 leitos. Dentre as especialidades mais afetadas estão psiquiatria, clínica geral, pediatria e obstetrícia. Dados da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, no entanto, apontam que desde 1995 foram criados, apenas em hospitais estaduais, 6.000 leitos.

Em nota, o CFM afirma que os problemas do SUS se devem ao subfinanciamento e à falta de uma política de saúde pública eficaz. "Os gestores simplificaram a complexidade da assistência à máxima de que 'faltam médicos no país.' Porém, não levam em consideração aspectos como a falta de infraestrutura física, de políticas de trabalho eficientes para profissionais da saúde, e, principalmente, de um financiamento comprometido com o futuro do Sistema Único de Saúde", diz Roberto Luiz d'Ávila, presidente do conselho, no comunicado.

Acesso — Segundo Helena Eri Chimizu, professora do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UNB), a redução no número de leitos é um dado preocupante. "É importante frisar que as regiões Norte e Nordeste têm uma deficiência significativa de leitos de média e alta complexidade", diz. Para a especialista, um motivo razoável para essa queda seria a implementação dos serviços substitutivos, tais como, por exemplo, as casas de parto e as residências terapêuticas. "Ainda assim, acredito que não justificaria uma queda, mas a manutenção da média."

Governo — O Ministério da Saúde diz não reconhecer o levantamento feito pelo CFM como uma pesquisa válida, já que ela não avalia parâmetros ano a ano, além de não levar em consideração leitos remanejados, programas de qualificação profissional, aumento de atendimentos ambulatoriais e programas de centros substitutivos.

A pasta reconhece que houve uma redução de 17.000 leitos. A queda, no entanto, é compensada pelo avanço em políticas para ampliação de centros substitutivos, como as casas da gestante e as Unidades de Pronto-atendimento (UPAs). Segundo o Ministério, existem hoje no país 504.229 leitos, dos quais 354.177 pertencem ao SUS.

De acordo com o ministério, o SUS realiza hoje 1 milhão de internações por mês e 3,2 bilhões de atendimentos ambulatoriais por ano — o que ajudaria na redução de internações de casos simples. 

Arte Veja

Tabela CFM de redução de leitos

 

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados