Bebida alcoólica

Benefícios do vinho tinto ao coração se devem tanto ao álcool quanto à uva

Pesquisa mostrou que cada substância exerce efeitos diferentes, mas positivos, na saúde cardiovascular

Vinho tinto

Vinho tinto: bebida representa benefícios à saúde cardiovascular devido ao álcool e também à uva (Stockbyte)

Diversos estudos já relacionaram o consumo moderado de bebida alcoólica, em especial de vinho tinto, a benefícios para o coração. Uma das explicações está no fato de a bebida funcionar como antioxidante no organismo, produzindo efeitos positivos como a redução do risco de derrames cerebrais. Porém, nunca ficava claro se essa ação se devia ao álcool ou à uva presente na bebida. Um novo estudo, feito por pesquisadores da Universidade de Barcelona, levantou essa questão e concluiu que tanto um quanto outro são responsáveis por essa melhora à saúde. Os resultados foram publicados no periódico The American Journal of Clinical Nutrition.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Differential effects of polyphenols and alcohol of red wine on the expression of adhesion molecules and inflammatory cytokines related to atherosclerosis: a randomized clinical trial

Onde foi divulgada: periódico The American Journal of Clinical Nutrition

Quem fez: Gemma Chiva-Blanch, Mireia Urpi-Sarda, Marisa Guillén, Rosa M Lamuela, Cristina Andres-Lacueva e Ramon Estruch

Instituição: Universidade de Barcelona, Espanha

Dados de amostragem: 67 homens com alto risco para doenças cardíacas

Resultado: Tanto o álcool quanto a uva presentes no vinho tinto são benéficos ao coração. De maneiras diferentes, ambos são capazes de reduzir a inflamação das artérias.

Participaram do estudo 67 homens com alto risco para doenças cardíacas. Primeiro, eles passaram duas semanas sem consumir bebida alcoólica alguma e, depois, tiveram que ingerir 30 gramas de vinho tinto ao dia, uma quantidade equivalente a dois copos, durante um mês. No mês seguinte, eles continuaram bebendo a mesma quantidade diária, porém, de vinho sem álcool. Durante todo o estudo, os pesquisadores aplicaram exames de sangue para medir os níveis de uma série de substâncias químicas relacionadas à formação de placas nas paredes das artérias e que funcionam como marcadores de inflamações.

Ao analisar os resultados, os pesquisadores observaram que, quando os homens consumiam vinho tinto alcoólico diariamente, eles demonstravam um maior nível de interlucina-10, uma substância capaz de diminuir a inflamação nas artérias. Isso, segundo os autores do estudo, sugere que o álcool sozinho é responsável por esse benefício.

Por outro lado, no período em que os homens beberam vinho tinto sem teor alcoólico, os exames de sangue revelaram que houve uma redução nos níveis de certas substâncias responsáveis por estimular a formação de placas nas paredes das artérias. Com isso, foi possível concluir que essa diminuição se deve aos polifenois vindos das sementes ou da casca da uva, e não ao álcool.

Com isso, os especialistas concluíram que tanto as uvas quanto o álcool, desde que consumido moderadamente, são bons para o coração e que, provavelmente, há uma forte vantagem em ingerir os dois juntos.

Não é para você

Apesar de a bebida alcoólica, com moderação, proporcionar benefícios para a saúde, ela não é indicada para todos. Existem pessoas que não devem ingerir quantidade alguma de álcool, já que os prejuízos são muito maiores do que as vantagens. Sinal vermelho para quem tem os seguintes problemas:

Doença hepática alcoólica: é a inflamação no fígado causada pelo uso crônico do álcool. Principal metabolizador do álcool no organismo, o fígado é lesionado com a ingestão de bebidas alcoólicas.

Cirrose hepática:
o álcool destrói as células do fígado e é o responsável por causar cirrose, quadro de destruição avançada do órgão. Pessoas com esse problema já têm o fígado prejudicado e a ingestão só induziria a piora dele.

Triglicérides aumentado:
o triglicérides é uma gordura tão prejudicial quanto o colesterol, já que forma placas que entopem as artérias, podendo causar infarto e derrame cerebral. O álcool aumenta essa taxa. Portanto, quem já tiver a condição deve manter-se longe das bebidas alcoólicas.

Pancreatite: a doença é um processo inflamatório do pâncreas, que é o órgão responsável por produzir insulina e também enzimas necessárias para a digestão. O consumo exagerado de álcool é uma das causas dessa doença, e sua ingestão pode provocar muita dor, danificar o processo de digestão e os níveis de insulina, principal problema do diabetes.

Úlcera: é uma ferida no estômago. Portanto, qualquer irritante gástrico, como o álcool, irá piorar o problema e aumentar a dor.

Insuficiência cardíaca: por ser tóxico, o álcool piora a atividade do músculo cardíaco. Quem já sofre desse problema deve evitar bebidas alcoólicas para que a atividade de circulação do sangue não piore.

Arritmia cardíaca: de modo geral, ele afeta o ritmo dos batimentos cardíacos. A bebida alcoólica induz e piora a arritmia.                 


Redobre a atenção

Há também aqueles que devem ter muito cuidado ao beber, mesmo que pouco.Tudo depende do grau da doença, do tipo de remédio e do organismo de cada um.

Problemas psiquiátricos: o álcool muda o comportamento das pessoas e pode alterar o efeito da medicação. É arriscada, portanto, a ingestão de bebida alcoólica por aqueles que já têm esse tipo de problema.

Gastrite: é uma fase anterior à úlcera e quem sofre desse problema deve tomar cuidado com a quantidade de bebida alcoólica ingerida. Como pode ser curada e controlada, é permitido o consumo álcool moderado, mas sempre com autorização de um médico.

Diabetes:
Todos os diabéticos devem ficar atentos ao consumo de álcool. A quantidade permitida dessa ingestão depende do grau do problema, dos remédios e do organismo da pessoa. Recomenda-se, se for beber, optar por fazê-lo antes ou durante as refeições para evitar a hipoglicemia.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados