Mais Lidas

  1. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  2. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  3. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  4. Marcola quer fazer botox

    Brasil

    Marcola quer fazer botox

  5. Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de São Paulo

    Brasil

    Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de...

  6. Justiça investiga manobra para reverter extradição de Pizzolato

    Brasil

    Justiça investiga manobra para reverter extradição de Pizzolato

  7. Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

    Esporte

    Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

  8. Pizzolato: de diretor do Banco do Brasil a auxiliar de pedreiro

    Brasil

    Pizzolato: de diretor do Banco do Brasil a auxiliar de pedreiro

Bactéria no estômago pode ser a responsável pelo aumento de peso

- Atualizado em

Uma bactéria encontrada no estômago pode ser a principal responsável pelos casos de aumento de peso em humanos, sugere um novo estudo da Universidade de Emory, em Atlanta, publicado na revista especializada Sciense.

De acordo com a pesquisa, essa bactéria, identificada no aparelho digestivo, também pode ser a causa de problemas de colesterol e pressão arterial, além de responder por diabetes e doenças hepáticas.

Apesar dos cientistas terem descoberto a bactéria durante experimentos com ratos, os resultados são relevantes para os humanos, afirmou o artigo publicado nesta sexta-feira.

"A epidemia de obesidade que assola o mundo inteiro está diretamente ligada ao sedentarismo e ao consumo de alimentos calóricos", afirmou Andrew Gewirtz, da Universidade de Emory. "No entanto, nosso estudo sugere que uma bactéria pode contribuir para o aumento de apetite e para a diminuição do metabolismo", completou o especialista.

Segundo o cientista, o desenvolvimento desses micróbios unicelulares pode estar associado ao consumo de água imprópria e ao uso indiscriminado de antibióticos.