Estilo de vida

Alimentação correta e exercícios barram o avanço do diabetes em 11% dos casos

De acordo com estudo, adotar um estilo de vida saudável pode, em um ano, normalizar os níveis de açúcar no sangue e os quadros de saúde de diabéticos

Diabetes

Diabetes: Pacientes devem adotar estilo de vida saudável para normalizar níveis de açúcar no sangue (Thinkstock)

Cerca de um em cada nove pacientes diabéticos que adotam um estilo de vida saudável conseguem, após um ano, normalizar os seus níveis de açúcar no sangue e, assim, fazer com que os sintomas da doença regridam. Segundo nova pesquisa, embora não promovam cura, medidas como evitar o ganho de peso, seguir uma alimentação correta e praticar atividade física com frequência são capazes de fazer com que o quadro de saúde de uma pessoa com diabetes se assemelhe ao de um ‘pré-diabético’. Essas conclusões fazem parte de um estudo do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão de saúde dos Estados Unidos, que foi publicado nesta terça-feira no periódico The Journal of The American Association (JAMA).

Saiba mais

DIABETES TIPO 2
Enquanto a diabetes tipo 1 ocorre pela falta da produção de insulina, na do tipo 2 a insulina continua a ser produzida normalmente, mas o organismo desenvolve resistência ao hormônio. É causada por uma mistura de fatores genéticos e pelo estilo de vida: 80% a 90% das pessoas que têm o tipo 2 da diabetes são obesas.

PRÉ-DIABETES
Ocorre quando uma pessoa não é considerada como tendo diabetes, embora apresente níveis acima do normal de glicose no sangue. Um paciente pré-diabético tem de 100 a 125 miligramas de glicose por decilitro de sangue (mg/dl). Acima disso, o indivíduo é considerado como diabético. Os níveis normals de glicose no sangue devem estar entre 70 e 100 mg/dl.

A pesquisa selecionou 4.503 pacientes diabéticos que também eram obesos ou tinham sobrepeso. Parte dos participantes foi designada a seguir, ao longo de um ano, um programa de dieta (consumo de 1.200 a 1.800 calorias ao dia) e de exercícios físicos (três horas semanais de atividades), e o restante continuou com a sua rotina.

Leia também: "O diabetes vai levar a saúde pública à falência", diz endocrinologista

Diagnóstico de pré-diabetes poderá ser feito por dentistas

Após os 12 meses, 11,5% dos pacientes que participaram do programa de dieta e atividade física apresentaram uma regressão, mesmo que modesta, do diabetes — seus níveis de açúcar na corrente sanguínea não estavam mais acima do limite a partir do qual é considerado o início da doença. Essa taxa foi de apenas 2% entre as pessoas que mantiveram suas rotinas.

Melhores resultados — O estudo ainda mostrou que as pessoas que haviam sido diagnosticadas com diabetes há menos tempo foram mais propensas a apresentar melhoras nesse sentido do que aquelas que conviviam com a doença há mais tempo. Além disso, quanto maior o peso perdido e quanto mais resistência adquirida pelo individuo nas atividades físicas, melhores seus resultados de saúde após um ano.

Para os autores do estudo, embora a remissão total do diabetes seja algo muito raro de ocorrer, esses resultados mostram que é possível, sim, fazer com que a doença regrida. Segundo os pesquisadores, as melhoras promovidas pela adoção de um estilo de vida saudável podem chegar a dispensar a necessidade do uso de medicamentos, por exemplo.

12 formas evitar o diabetes tipo 2

1 de 12

Perca a barriga

Um dos principais fatores de risco para o diabetes tipo 2 é o acúmulo da gordura visceral, ou seja, a gordura acumulada na região abdominal que também se concentra no fígado e entre os intestinos. “Essa gordura obriga o pâncreas a produzir cada vez mais insulina para que a glicose consiga entrar nas células. Esse excesso estimula uma série de mudanças no metabolismo, como aumento da pressão arterial e das taxas de colesterol no sangue”, explica Carlos Alberto Machado, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Portanto, o ganho de peso pode significar o aumento da gordura visceral e, consequentemente, do risco de diabetes tipo 2.

Leia também: Peso normal, mas barriga saliente, aumenta risco de doença cardiovascular

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados