Mais Lidas

  1. Luiza Brunet diz ter sido espancada pelo ex, Lírio Parisotto

    Entretenimento

    Luiza Brunet diz ter sido espancada pelo ex, Lírio Parisotto

  2. Movimentação financeira de 'garçom do Lula' foi 69 vezes superior aos seus rendimentos

    Brasil

    Movimentação financeira de 'garçom do Lula' foi 69 vezes superior...

  3. Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

    Brasil

    Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

  4. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  5. Doleiro ligado a Eduardo Cunha é preso em ação da Lava Jato em Brasília

    Brasil

    Doleiro ligado a Eduardo Cunha é preso em ação da Lava Jato em...

  6. Governo e oposição se articulam para enterrar a CPI da UNE

    Brasil

    Governo e oposição se articulam para enterrar a CPI da UNE

  7. Jucá desmente Renan e diz que lei contra abuso de autoridade não é ‘prioridade’

    Brasil

    Jucá desmente Renan e diz que lei contra abuso de autoridade não é...

  8. Como uma traição fez Boris Johnson desistir de ser premiê britânico

    Mundo

    Como uma traição fez Boris Johnson desistir de ser premiê britânico

Venezuela vendia passagens fantasmas para o "aeroterror"

O voo que fez a rota Caracas-Damasco-Teerã entre 2007 e 2010 era deficitário, mas passageiros comuns nunca conseguiam fazer reserva em um de seus assentos, pois o avião destinava-se a transportar drogas, terroristas e dinheiro

Por: Leonardo Coutinho - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Criado em 2007 como parte de um acordo bilateral entre o Irã e a Venezuela, o voo VO-3006 fez a rota Caracas-Damasco-Teerã até 2010 e era operado em conjunto pelas estatais Conviasa, venezuelana, e Iran Air, iraniana. Segundo altos funcionários chavistas ouvidos por VEJA, e que atualmente vivem exilados nos Estados Unidos, o apelido "aeroterror" deixava claro o propósito do voo: transportar dinheiro sujo ou criminosos procurados pela Interpol.

Inicialmente operando com voos semanais, o aeroterror passou a ter uma regularidade quinzenal. Embora formalmente houvesse passagens à venda no site da companhia, cidadãos comuns nunca conseguiam fazer reservas. Só quem tinha autorização governamental conseguia viajar no VO-3006. Na maioria das vezes, o avião decolava com quase todas as poltronas vazias.

Leia também:

Índia brasileira fotografada por VEJA vai parar no discurso de Maduro

Com país em crise, filho de Maduro dança sob chuva de dólares

Venezuela deu abrigo à família de Bashar Assad

A rota era deficitária, mas foi mantida assim mesmo. Segundo uma planilha do Ministério das Indústrias Básicas e Mineração da Venezuela, o voo custou 45,3 milhões de dólares entre 2007 e 2009. Só o governo venezuelano torrou 36,6 milhões de dólares na operação. O faturamento com a venda de passagens, no mesmo período, foi de apenas 15 milhões de dólares (confira o documento acima).

O voo quinzenal se pagava, na realidade, com atividades ilícitas. O serviço de inteligência americano sempre suspeitou que a rota era usada para o tráfico de armas entre Teerã e Damasco e para o trânsito de militares iranianos, cuja presença cresceu significativamente na América Latina, segundo relatórios oficiais. Em 2010, o Departamento de Estado e o Departamento de Defesa dos Estados Unidos manifestaram preocupação em relação ao voo. No relatório anual sobre terrorismo, o Governo Americano afirmou que a Guarda Revolucionária do Irã usava o voo para fins militares.

Há duas semanas, uma reportagem de VEJA revelou como a Venezuela e o Irã faziam uso do aeroterror. Segundo os chavistas exilados nos Estados Unidos, os voos foram utilizados para transportar dezenas de extremistas islâmicos que precisavam viajar para o Ocidente, a partir do Irã e da Síria, sem serem percebidos.

Segundo essas fontes, a embaixada da Venezuela em Damasco mantinha uma rede de fabricação e distribuição de passaportes venezuelanos autênticos que eram fornecidos para ocultar as identidades verdadeiras dos terroristas.

A operação em Damasco era comandada pelo então adido comercial Ghazi Nasseraddine. Libanês com cidadania venezuelana, Nasseraddine é um conhecido membro do Hezbollah. Antes de ser nomeado diplomata, ele cuidava dos interesses do grupo libanês em Caracas.

Nasseraddine, segundo os chavistas ouvidos por VEJA, atuava em sociedade com o então ministro do Interior e atual governador do Estado de Aragua, Tareck El Aissami, e tem contra ele um pedido de captura por parte do FBI por envolvimento com o terrorismo.

El Aissami, afirmam os mesmos chavistas que denunciaram Nasseraddine ao FBI, usava o aeroterror para despachar drogas para a Síria. A cocaína produzida pelas Farc, na Colômbia, era levada para a Venezuela e depois despachada no compartimento de carga do voo VO-3006 até Damasco.

TAGs:
Irã
Venezuela
Terrorismo